Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

A filha perdida: a maternidade e a importância da autocompaixão

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Filme dirigido por Maggie Gyllenhaal tem Olivia Colman em mais uma excelente atuação. A filha perdida está disponível na Netflix.

Por Carol Braga | Editora 

Se tem uma coisa que é romantizada na nossa sociedade é a maternidade, né? Ler e ver A filha perdida me fez refletir ainda mais sobre isso, mesmo não sendo mãe. A história escrita por Elena Ferrante e consequentemente muito bem contada por Maggie Gyllenhaal apresenta um ponto de vista real dessa relação. Existe amor, claro, mas também dor. É um processo geral de amadurecimento que todos nós, como filhas e filhos, precisamos dar valor. 

A filha perdida. Foto: Netflix

Conheci o livro de Elena Ferrante quando soube da adaptação para o cinema. Ou seja, já li sabendo que haveria um filme sobre ele. Sendo assim, me perguntava como a atriz prestes a estrear como diretora faria para levar para a tela reflexões que são tão íntimas. Na literatura, acompanhamos o fluxo do pensamento da protagonista. No cinema, Olivia Colman (em mais uma excelente atuação) nos presenteia com um silêncio que diz muito. 

Sim, o que eu mais gostei de A filha perdida foram os não ditos, os olhares de observação sagaz, a constante volta no tempo e autocompaixão da protagonista. Tem compaixão também, empatia, sororidade. Como o colega Paulo Camargos ressalta em sua crítica sobre o filme, a literatura de Elena Ferrante é marcada por personagens femininas fortes e que vivenciam embates constantes com as estruturas do patriarcado. Assim é Leda, assim como também devem ser Elena, Olivia e Maggie.

A trama

Olivia Colman interpreta, então, Leda. Ela é uma professora de literatura comparada em férias no litoral grego. Ela viaja sozinha e curte a praia sem a companhia de conhecidos. Em resumo: é muito observadora. Fica de olho em quem está por perto. Deste modo, parece desenvolver dramaturgias próprias para quem, assim como ela, experimenta o lazer diante do mar.

Uma família de napolitanos é a que chama mais atenção. São pessoas expansivas. Se fosse no Brasil, fariam churrasco na praia. Farofeiros, sem rodeios. Leda fica mais atenta aos passos de Nina (Dakota Johnson) e a pequena filha dela. Assim, é como se ela estivesse em um túnel do tempo.

Ver Nina e a garota a faz lembrar da relação com as filhas Bianca e Marta, atualmente com 25 e 23 anos. É uma volta no tempo, nem sempre tranquila, mas cheia de reflexões bastante interessantes. Principalmente para todas as mulheres que são mães e atravessaram, como Leda, um longo período de abdicações. Como bem disse uma amiga querida: tem um espelhamento que é duro.

Julgamentos

Uma história escrita supostamente por uma mulher (pouco se sabe sobre Ferrante), com roteiro adaptado por uma mulher e também dirigido por uma mulher. É claro que não tem julgamento nesse processo, mas tem uma realidade que pode pegar bem fundo. Tem reflexão, observação, os silêncios que já comentei.

A partir de dispositivos banais como o sumiço de uma boneca, Gyllenhaal sustenta uma narrativa tensa. Ou seja, é um suspense psicológico. Ele fala, inclusive, sobre os apagamentos de subjetividades que as mulheres sofrem quando se tornam mães. Imagino que muitas nem tenham consciência sobre isso.

Se A filha perdida revela tantas camadas assim, não há como não considerar este um dos filmes mais interessantes da temporada.

A filha perdida. Foto: Netflix

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

[ COMENTÁRIOS ]

[ NEWSLETTER ]

Fique por dentro de tudo que acontece no cinema, teatro, tv, música e streaming!