fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Prostituição é tema de encerramento da 4ª Mostra de Cinema Feminista

Por Thiago Fonseca *

17/03/2018 às 15:39 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI

A exibição do longa “Dancing Whit Monica”, da diretora Anja Dalhoff, que mostra a vida de uma prostituta Colombiana, seguido do debate sobre prostituição e violência de gênero, marcaram a noite de encerramento do 4ª Mostra de Cinema Feminista, nessa sexta-feira, dia 16. Durante oito dias foram exibidos 69 filmes, produzidos por mulheres, e cinco momentos de debate no Sesc Palladium.

Uma mostra que pôde dar visibilidade às produções cinematográficas realizadas por mulheres e promover discussões sobre as lutas dos movimentos feministas. Pela primeira vez, foram exibidas produções assinadas por um diretor trans, Calí dos Anjos, e filmes de 11 países. O coletivo Malva, responsável pela realização do evento, só tem a comemorar.

“Estamos muito felizes com o retorno e o número de pessoas que vieram.. Todos os debates estiveram cheios e as trocas foram interessantes. A cada ano crescemos e vemos o quão importante é a mostra para incentivar as mulheres a produzirem e divulgarem seus filmes. A expectativa é crescer a cada ano”, explica Mirela Persichini, produtora e curadora da mostra.

Foto: reprodução / Dancing with Monica

DANCING WHIT MONICA

No encerramento foi exibido o longa “Dancing Whit Monica”, da diretora Anja Dalhoff. Ele foi escolhido por discutir a prostituição que perpassa a violência, a sexualidade e o estupro. O filme mostra a vida da prostituta Colombiana que resolveu gravar sua luta na prostituição por 25 anos. Em um momento, Monica encontra a diretora e elas resolvem usar as imagens em um filme.

O longa, de 76 minutos, narra com dor e tristeza a vida da prostituta. As cenas fazem uma viagem pelo tempo e mostram como viveu Monica em cada país no exercício da profissão. Ela é quem conta sua própria história. As cenas passam pelo Japão, Espanha e Colômbia. Os dias de luta, de glória na profissão, os desafios para sustentar o filho e o drama da família também são retratados no longa.

Debate sobre prostituição e violência de gênero com a doutoranda Sarug Dagir – Foto: Thiago Fonseca

DEBATE SOBRE PROSTITUIÇÃO E VIOLÊNCIA DE GÊNERO

Para discutir o assunto a mostra recebeu a Doutoranda em Psicologia Sarug Dagir. Ela defende uma tese sobre a sexualidade feminina na obra de Marie Bonaparte e a relação dos postulados bonapartistas de complexo de perfuração e falo passivo com a teoria da sedução generalizada de Jean Laplanche.

Sarug já foi prostituta e levou para a discussão a prostituição e sua ambivalência. Ela falou sobre a importância de se discutir a profissão e debateu o drama vivido por Monica. “O mesmo tempo que a prostituta é procurada e se torna objeto, ela também é um lixo. E isso afeta a saúde psicológica da mulher, assim como vimos no filme”, explica.

Os pontos positivos e negativos da prostituição também foram pontuados por Sarug. Para ela, a profissão ajuda no desenvolvimento psicosexual da mulher, no desenvolvimento de renda e dá vida uma digna. Entretanto, as mulheres correm risco e podem adoecer, tanto fisicamente como psicologicamente.

“Muitas mulheres enlouquecem por em um dia ter muitos clientes e no outro dia, nenhum. Elas não conseguem entender que isso não é culpa de ninguém e sim do sistema. Muitas mulheres começam cedo, não tem psicológico para enfrentar os desafios e surtam. Mas, muitas conseguem ficar ricas, criar filhos e ter uma vida normal”, diz Sarug.

O valor social da prostituta foi relembrado pela doutoranda. Ela fez um resgate histórico e contou sobre o papel sagrado da profissão na Grécia Antiga. “Ser prostituta não é só abrir a perna. Nos programas acontecem terapias, conversas e o programa gera um bem-estar no cliente. Vejo a prostituição também como empreendedorismo”.

O debate ainda foi aberto para o público, momento em que questões sobre legislação, segurança e direitos para as prostitutas foram levantados. Os presentes disseram estar tocados com a história de Monica e com a profissão. Sarug reforçou a importância de mostrar a temática em filmes e na mídia para a desconstrução da imagem da prostituição. “Temos que humanizar e não tratar como obscuro. Cabe a arte e a mídia reforçar que não é só glamour e também nem só miséria”.

Coletiva Malva – Foto: Cardes Amâncio / Divulgação

A MOSTRA

O objetivo do festival é dar visibilidade às produções cinematográficas realizadas por mulheres e promover debates sobre as lutas dos movimentos feministas. A mostra é fruto de um evento de luta de mulheres do coletivo Diversas: Feminismo, Arte e Resistência. O festival traz filmes que discutem o universo do feminismo, saúde, direitos reprodutivos, abuso, violência, emancipação, empoderamento e as questões LGBT.

Nesta edição, em pouco mais de um mês, a produção recebeu cerca de 380 produções, um número considerado expressivo pelo grupo se considerarmos que a participação de mulheres ainda é pequena no universo dos filmes. Das produções lançadas em 2016, 75,4% foram feitas por homens brancos. Mulheres brancas assinam 19,7% e homens negros, 2,1%. Não houve nenhum longa dirigido por mulheres negras, segundo a pesquisa da Ancine.

“Este ano a gente recebeu uma quantidade expressiva de filmes, principalmente internacionais. Mudamos o formato dos debates. Em vez de chamar apenas diretoras, também convidamos outras pessoas para trazer outros pontos de vista. Com isso, realizamos uma mostra mas rica e estamos muito felizes com o resultado”, explica Letícia Souza, produtora e curadora da mostra.

LUTA FEMINISTA

A produção relata que o dia 14 foi o mais difícil e reflexivo desta edição. “Na quarta-feira houveram vários momentos que justificam nossa luta. Tivemos a notícia de professores que foram espancados em São Paulo, Constrangimento de homens branco mandando mulheres calarem a boca dentro da mostra e a morte Marielle Franco. Tudo isso nos impactou e nos fez refletir sobre nosso papel como mostra”, relata a produtora e curadora da amostra, Daniela Pimentel.

Mirela Persichini também ressaltou a luta pelas mulheres e a importância da mostra nas questões feministas. “Não podemos calar e desistir. Temos que continuar fazendo e proporcionando espaços para as mulheres terem espaço e voz. Se a gente tivesse mais lugares as coisas seriam diferentes”.

photo

‘120 Batimentos por Minuto’: Um brinde aos loucos que amaram – e lutaram

Por Daniel Oliveira – Colaboração especial para o Culturadoria Em uma cena de 120 Batimentos por Minuto, um personagem descreve um carro pego de surpresa por uma nevasca, parado no meio da estrada. Era impossível ver se estava no acostamento ou não. Os outros veículos passavam tirando fininho, podendo bater e destruí-lo a qualquer momento. […]

LEIA MAIS
photo

Cinco curiosidades sobre o filme A Favorita

Cada espectador tem um modo muito particular de se deixar seduzir por um filme. No meu caso, as produções que tem qualidade de interpretação me pegam de jeito. É por isso que A Favorita ganhou muitas estrelinhas no meu ranking pessoal. Rachel Weiz, Emma Stone e Olivia Colman – todas indicadas ao Oscar 2019 – […]

LEIA MAIS
photo

Cresce o número de curtas com temática LGBTQ+ nas telas de Tiradentes

Um quarto dos curtas em exibição na 22° Mostra de Cinema de Tiradentes abordam a temática LGBT+. Dessa forma, das 78 produções, 19 abordam diretamente o tema. Um número representativo que confirma o crescimento das produções sobre o tema e a ampliação dos espaços para exibição. Segundo Tatiana Carvalho Costa, uma das curadoras do evento, não […]

LEIA MAIS