fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Confira como foi a primeira edição online da 15ª CineOP

Em uma edição 100% digital, a Mostra de Cinema de Ouro Preto discutiu temas fundamentais e homenageou os 70 anos da televisão brasileira

Por Jaiane Souza *

08/09/2020 às 11:07 | *Colaborador

Publicidade - Portal UAI
Lô Borges Trio encerrou a 15ª CineOP com homenagem a Milton Nascimento. Foto: Leo Lara / Universo Produção

A 15ª CineOP chegou ao fim na noite de 7 de setembro provando que o cinema também é digital. Neste ano, a Mostra de Cinema de Ouro Preto foi realizada 100% online tendo como proposta se aproximar o máximo possível do formato presencial. E cumpriu! Mesmo sem o corpo presente, o público pôde conferir 103 filmes em cartaz, debates, masterclasses e rodas de conversa de qualquer lugar do mundo. Cinquenta e quatro países para ser mais exato.

O encerramento foi com Lô Borges, Telo Borges e Henrique Mateus em “Nada será como antes”, show em homenagem à parceria de longa data com Milton Nascimento. O repertório contou com canções do Clube da Esquina e músicas compostas por ambos os artistas. 

Recados

A memória do cinema e do audiovisual brasileiro em geral está em perigo. A começar pela crise na Cinemateca Brasileira. Nos últimos anos, o maior acervo da América Latina vem sendo sucateado. Mais recentemente, todos os funcionários foram demitidos e as portas fechadas. Todas as mesas da Temática Preservação discutiram o assunto.

Na mesa Instituições de patrimônio em risco: Caso Cinemateca Brasileira o tema foi aprofundado e profissionais e pesquisadores discutiram alternativas para mudar o cenário. São eles Carlos Augusto Calil, cineasta e ex-diretor executivo da Cinemateca Brasileira; Débora Butruce, preservadora audiovisual e vice-presidente da ABPA; e Fabiana Ferreira, do Instituto Brasileiro de Museus.

Por outro lado, a Temática Educação passou pelo ensino usando ferramentas do cinema e do audiovisual e os desafios da educação em tempos de pandemia. A evidente falta de acesso a suportes tecnológicos deixa nítida a desigualdade social. Além disso, outra grande questão é como criar interesse e fazer curadoria de conteúdo para os alunos em meio a tantos estímulos causados pelas telas.

A televisão e o cinema

Mesmo com as particularidades de cada um, cinema e televisão tem tudo a ver. Ou melhor, influenciaram linguagens entre si durante a história. Exemplo disso é a TVDO, uma produtora audiovisual que surgiu nos anos 1980 e foi contra tudo que era feito até então na televisão aberta. Os ex-membros da TVDO estiveram em uma roda de conversa super divertida na 15ª CineOP contando os detalhes da trajetória. Os filmes exibidos nos dias de mostra foram produzidos mesclando a linguagem televisiva, artes visuais e poesia. 

De certa forma, os integrantes já sabiam qual seria o futuro das telas. “Parece que a gente já antevia que as telas seriam todas uma só (como está sendo agora na pandemia). Tanto é que um dos nossos motes era ‘cinema e/ou TV: tudo conforme a tela que se vê”, destacou Tadeu Jungle. 

cineop

Roda de conversa com os ex-membros da TVDO. Print da transmissão via YouTube da Universo Produção

Democratização das telas

O destaque da Temática Educação Ailton Krenak, o líder indígena, escritor e filósofo defendeu que, assim como as terras, as telas também precisam ser demarcadas de modo que haja representatividade e produção indígena nas programações. Só para exemplificar, quantos programas ou filmes produzidos por indígenas você vê na televisão, principalmente na TV aberta e comercial?

Em resumo, indagações como essa fizeram a CineOP se destacar mais uma vez ao abrir o diálogo para diferentes vozes e realidades. Além disso, o acesso à edição comemorativa de 15 anos da CineOP ficou mais amplo e ganhou o mundo. “Utilizar a internet e a tecnologia a nosso favor, colocar todo mundo conectado e junto na mesma tela foi o maior desafio. Trazer o que a gente faz presencialmente para o online”, destacou Raquel Hallak na live do famoso sorteio da cafeteira. Ela é coordenadora geral da CineOP e diretora da Universo Produção

Em resumo: todos os debates, mastercalsses, encontros e rodas de conversas ocorreram ao vivo e estão disponíveis no YouTube da Universo Produção. Confira aqui!

photo

“Antes assistíamos a televisão. Agora assistimos uns aos outros”, Ailton Krenak na abertura da 15ª CineOP

Já estamos acostumados a falar que as cerimônias de abertura do Festival de Cinema de Ouro Preto são emocionantes. Mas a deste ano foi especial. A 15ª CineOP está em ambiente 100% digital por causa da pandemia, mas com a mesma missão: proporcionar programação gratuita, abrangente e destacando o cinema como patrimônio.  A transmissão da […]

LEIA MAIS
photo

Documentários da 15ª CineOP exploram imagens na contramão das narrativas midiáticas

Os documentários são presença forte em toda CineOP. Dácia Ibiapina, diretora do filme Cadê Edson?, usou em seu filme imagens que a mídia fez para desconstruir e contrapor o próprio discurso que ela mesma construiu. O longa está disponível na programação ao lado de Wilsinho Galiléia, de João Batista de Andrade, e de vários outros […]

LEIA MAIS
photo

Acesso a acervos e preservação de arquivos estão em xeque, o que fica são “cinematecas imaginárias”

Os realizadores brasileiros que reconstroem filmes ou criam novas narrativas a partir de obras produzidas anteriormente encontram, entre as diversas dificuldades, o desafios de acessarem acervos e materiais preservados. Este assunto esteve em discussão no debate “Revisão, reconstituição ou reapropriação de filmes interrompidos ou perdidos”, que fez parte da programação da 15ª CineOP. “O que […]

LEIA MAIS