28 maio 2017

Cercada de drag queens e depois de longo atraso, Xuxa faz plateia mineira viajar no tempo

Xuxa viaja no tempo com plateia no Km de Vantagens Hall. Crédito: Thiago Fonseca.

Por Thiago Fonseca*

Depois de anos sem realizar shows em Belo Horizonte, Xuxa, a eterna rainha dos baixinhos, aterrissou com sua nave na capital. Com bastante atraso – o show marcado para 22h não começou antes da 0h. Durante apresentação mineira do Xuchá, Chá da Xuxa, realizado no Km de Vantagens Hall a estrela relembrou os grandes momentos da carreira.

O famoso chá surgiu em 2009, voltado para o público LGBT,  e já recebeu outras estrelas como Anitta, Preta Gil e Valesca. O espetáculo começa tal qual o programa que a consagrou:  a cantora levou o público ao delírio ao sair da nave branca cantando Amiguinha da Xuxa. As coreografias foram bem marcadas com a presença de dançarinas loiras, morenas e ruivas e negras. Paquitos sem camisa também completaram o elenco.

Uma novidade foi a participação das ‘paquidrags’. Sete drags foram selecionadas para dançar no show no lugar das Paquitas. Cheias de autoafirmação e representatividade, entraram no meio do espetáculo para performar dois hits das Paquitas: Fada Madrinha (É Tão Bom) e Sonho De Verão. O número aconteceu no intervalo entre as músicas Hoje É Dia De Folia e Planeta Xuxa.

Continua após a publicidade

Cenário

Boa parte dos elementos cenográficos utilizados no show são reciclados das turnês anteriores de Xuxa. E claro que não podia faltar a nave espacial branca do Xou da Xuxa de 1992 e da escada colorida utilizada pelo mesmo programa em 1990. Para interagir com as músicas, diversos telões exibiram animações que fazem referências ao repertório da turnê.

Vídeos de fãs mineiros também foram exibidos nos telões. Eles contaram história de amor com a cantora. Um grupo relembrou o primeiro show da rainha que foi em Ipatinga, no Vale do Aço, há mais de 20 anos.

Troca troca

Xuxa mudou de roupa algumas vezes, como era de se esperar. Diferentes figurinistas contribuíram para o show, sempre remetendo aos anos 80 e 90. Na primeira parte do espetáculo, Xuxa sai da nave com um vestido branco de penas, botas e uma coroa com “xucas” gigantes. Em Planeta Xuxa e Libera Geral, ela usa um sobretudo e um chapéu cheio de LEDs, logo após tirar o sobretudo revela um macacão preto e branco semelhante ao que usou no Xuxa Park especial de 10 anos. A partir daí, usa diferentes perucas para cada música que canta.

No show de mais de uma hora, Xuxa mostrou que ainda é rainha dos baixinhos e dos grandinhos. Não havia se quer uma pessoa que não cantasse os clássicos da rainha. O show foi emoção atras de emoção. Bonito mesmo foi quando do alto choveram papéis picados, serpentinas e balões, logo no início, o que levou os mais de quatro mil fãs à loucura. E a despedida? Não poderia ser diferente; Xuxa deixou o palco ao decolar na nave que esteve presente durante a infância do público.

*Sob a supervisão de Carolina Braga

Continua após a publicidade

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Orquestra Filarmônica é ovacionada em concerto comemorativo de 10 anos

Já se passaram quase 24 horas. O domingo foi intenso e nem por isso os acordes da Sinfonia nº 9 de Beethoven (1770-1827), apresentada pela Orquestra Filarmônica de Minas Gerais na noite de sábado, se apagam na minha memória. Salve, salve! A Orquestra terminou a apresentação merecidamente ovacionada. Quem me dera ter todas as habilidades […]

Leia Mais

Jojo Todynho: a dona do hit que explodiu a internet brasileira

Por Thiago Fonseca* Preta, gorda, favelada e dona do hit mais estourado do Brasil. Jojo Maronttinni, mais conhecida como Jojo Todynho, se define assim. Bombada na internet com a música “Que Tiro Foi Esse?”, a cantora ainda não teve tempo de entender tudo o que está se passando na vida dela. É show seguido de […]

Leia Mais

Orquesta Atípica de Lhamas abre VAC em grande estilo ao lado de Maria Alcina

  A cantora Maria Alcina é mesmo um poder. Mas isso a gente já sabia há tempos. Por isso, a pergunta que fica depois da abertura do Verão Arte Contemporânea é: que potência é essa da Orquesta Atípica de Lhamas, minha gente?!? A “cerimônia” de abertura do Verão Arte Contemporânea foi em grande estilo. Depois […]

Leia Mais