20 out 2016

Uma quinta, dois festivais internacionais de cinema

elonnaoacreditanamorte

O ator Rômulo Braga em uma das cenas de Elon não acredita na morte. Crédito: Divulgação

Tudo bem que são em cidades diferentes, públicos distintos e até portes incomparáveis. Mas é uma pena que a Mostra Cine BH comece em Belo Horizonte exatamente no mesmo dia em que a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo na capital paulista. São dois eventos que tratam do mesmo universo, guardadas as devidas proporções.

O evento que começa nesta quinta (20/10) com a pré-estreia de Elon não acredita na morte, de Ricardo Alves Jr., é o “braço” mercado do projeto Cinema sem fronteiras. Todo ano inicia a trajetória destacando o cinema contemporâneo brasileiro com a Mostra de Cinema de Tiradentes, dedica um olhar à preservação da sétima arte, com a CineOP e termina com a discussão sobre os modos de produção e viabilização da produção nacional, característica da Cine BH.

Primeiro longa do diretor mineiro Ricardo Alves Jr. Elon não acredita na morte deu a Rômulo Braga o prêmio de melhor ator na recente edição do Festival de Brasília. Para se ter uma ideia do quanto a programação da Cine BH não anda tão distante assim da veterana Mostra Internacional de SP o filme será exibido nos dois eventos.

Por mais que o network entre os produtores seja a cereja do bolo da Cine BH por meio do seminário Brasil Cinemundi, a população tem o que comemorar. Graças à Cine BH até o dia 27 de outubro serão exibidos na cidade 57 filmes nacionais e internacionais. Espaços como Cine Humberto Mauro, Cine 104, MIS Cine Santa Tereza, Sesc Palladium e Teatro Sesiminas vão abrigar 50 sessões. Todas com entrada gratuita.

Em 2016 a Mostra Cine BH vai falar sobre o cinema da resistência. A curadoria de Francis Vogner e Pedro Butcher destaca propostas estéticas que desafiem as exigências do mercado. Um interessante paradoxo.

O cinema português, que não tem tradição mercadológica, é escolhido como homenageado. Dentro disso, serão exibidos longas do cineasta João César Monteiro (1939-2003), um dos grandes nomes do cinema de lá. Sim, diferentemente dos outros eventos do Cinema sem Fronteiras, a Cine BH é internacional.

Fazem parte da grade – gratuita, vale lembrar! – longas de 13 países, entre eles, França, EUA, Moçambique, Dinamarca, Argentina, México, Espanha, Paraguai, Bolívia, Reino Unido e Japão.

Confira a programação completa no www.cinebh.com.br

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

“Madrigal para um poeta vivo”: encontro com o existencialismo mediado pelo cinema

O paulista Francisco Pinto Campos Neto atingiu um novo patamar de notoriedade recentemente quando foi personagem em uma matéria de televisão sobre o fato de ser escritor e coveiro. A participação no programa fora apenas uma tentativa de divulgar “As Núpcias do Escorpião”, seu livro de contos lançado em 2013. A verdade é que Tico […]

Leia Mais

Sim, teve surpresa entre os indicados ao Oscar 2018. Confira a lista completa!

Durante o fim de semana, na Mostra de Cinema de Tiradentes, pelo menos dois amigos me perguntaram quais os filmes do Oscar eu já tinha visto. O detalhe curioso é que os indicados só saíram nesta terça (23). Ou seja, a coisa já está tão manjada que antes de sair a lista final já temos […]

Leia Mais

‘Bandeira de Retalhos’: A união fez a força no novo longa do veterano Sérgio Ricardo

Para entender o termo “cinema de mutirão” criado pelo compositor e cineasta Sérgio Ricardo, bastava olhar para o palco no momento da introdução de seu filme “Bandeira de retalhos”, na Mostra de Tiradentes. Uma verdadeira multidão se aglomerou ali. Era apenas metade da equipe do filme. “Afeto” foi uma palavra muito utilizada pelo respeitado artista […]

Leia Mais

Comentários