02 jun 2017

‘The Handmaid’s Tale’: um incômodo do início ao fim

The Handmaid’s Tale. Crédito George Kraychyk/Hulu

Por Victória Farias* 

The Handmaid’s Tale, baseado no livro de Margaret Atwood de mesmo nome, promete ser umas das melhores séries de 2017.

É o tipo de programa que primeiro assusta com o seu roteiro forte, mas depois encanta com o desdobramento, atuações e fotografia. O incômodo sofrido do início ao fim de cada episódio é válido para lembrar que as lutas das mulheres ainda não acabaram. Como na arte, coisas mirabolantes podem acontecer com uma simples queda de parlamento. Ou uma AI.

A trama conta a história de June (Elisabeth Moss) uma mulher casada e com uma filha. A vida de June teve uma reviravolta espantosa quando uma rara epidemia atingiu os Estados Unidos. De uma hora para outra, apenas 1% das mulheres eram férteis.

The Handmaid’s Tale. Crédito George Kraychyk/Hulu

Enredo

Quando o regime totalitário decidiu que todas as mulheres férteis passariam a ser propriedades do estado, June tentou fugir com a marido e filha. Foi apreendida pelos “Olhos”, homens armados que passaram a ser a polícia americana. Depois disso, nada mais valia, nem os nomes não podiam mais ser os mesmos. As leis, passam a ser bíblicas, e os cumprimentos passaram a ser: “Sobre o seu olho”, “Abençoado seja o fruto” e “Que o Senhor possa abri-lo”.

June, se torna Offred, uma AIA. As AIAS são mulheres férteis enviadas para as casas do comandante para ter filhos sobre os joelhos de suas mulheres. O que isso significa?  Elas deitam na cama sobre as pernas das esposas, que presencia o militar fazendo sexo com a “escrava”.

Continua após a publicidade

 

Isso acontecia, pois era seguido o versículo bíblico que diz: “Vendo Raquel que não dava filhos a Jacó, teve inveja de sua irmã, e disse a Jacó: Dá-me filhos, se não morro.  E ela disse: Eis aqui minha serva Bila; coabita com ela, para que dê à luz sobre meus joelhos, e eu assim receba filhos por ela.” Gênesis 30:1:3

Antes de irem para a casa dos comandantes, as AIA’s eram treinadas no Centro Vermelho, sobre responsabilidade das “Tias”. Por elas, eram ensinadas ao ato de estar com o comandante sobre os joelhos das mulheres, aprendiam os cumprimentos, a como abaixar a cabeça quando os homens passam por elas, e a respeitar as mulheres dos comandantes sobre qualquer circunstância.

June passa a seguir as ordens de Serena Joy Waterford (Yvonne Strahovski) esposa, e incumbida de servir o Comandante Waterford (Joseph Fiennes). A única coisa que a mantem viva, é a esperança de reencontrar sua filha.

The Handmaid’s Tale. Crédito George Kraychyk/Hulu

Elenco

Elisabeth Moss apresenta uma atuação drástica. Sempre com um olhar profundo e as vezes até mesmo olhando diretamente para a câmera. É como se ela pudesse atravessar a quarta parede e provar que aquilo tudo está realmente acontecendo, e é uma história contada diretamente do personagem para o expectador, sem meios termos. Não ficando por menos, todas as presenças femininas são marcantes. Elas carregam dentro de si uma raiva contida que pode ser apreciada a cada cena.

The Handmaid’s Tale, (em português, O conto da AIA) é transmitida pela emissora americana Hulu, com novos episódios todas as quartas-feiras. A curiosidade é que antes mesmo de chegar ao seu quarto episódio, a série já havia sido confirmada para a sua segunda temporada.

* Com supervisão de Carolina Braga.

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Desobediência: o peso da crença na busca pela liberdade

Sempre gostei de explorar a primeira ideia que vem à mente assim que um filme termina. O que bate de imediato é a mensagem que geralmente fica. Pois saí da sessão de Desobediência pensando no quanto, mesmo no século XXI, o ser humano ainda se deixa controlar por crenças, simbologias. Já foram muitas conquistas de […]

Leia Mais

CineOP 2018 a valorização de atividades de formação e da cena local

O investimento em atividades de formação para o crescimento da indústria audiovisual e a valorização da cena local são os pilares mais fortes da CineOP 2018. Essa é a percepção que fica após seis dias de Mostra, que ocupou Ouro Preto entre 13 e 18 de junho. É dessa forma, que se diferencia dos demais. Nesta […]

Leia Mais

Documentários sobre Bethânia e Adoniran são ovacionados na CineOP

A CineOP é uma Mostra voltada para o cinema como patrimônio e faz um resgate histórico sobre o tema de cada edição. Assim, a maioria dos filmes em exibição não são inéditos. Mas há alguns. As pré-estreias destacadas nesta edição foram  ‘Fevereiros’, de Marcio Debellian, e ‘Adoniran – Meu nome é João Rubinato’, de Pedro Serrano. […]

Leia Mais