02 jun 2017

‘The Handmaid’s Tale’: um incômodo do início ao fim

The Handmaid’s Tale. Crédito George Kraychyk/Hulu

Por Victória Farias* 

The Handmaid’s Tale, baseado no livro de Margaret Atwood de mesmo nome, promete ser umas das melhores séries de 2017.

É o tipo de programa que primeiro assusta com o seu roteiro forte, mas depois encanta com o desdobramento, atuações e fotografia. O incômodo sofrido do início ao fim de cada episódio é válido para lembrar que as lutas das mulheres ainda não acabaram. Como na arte, coisas mirabolantes podem acontecer com uma simples queda de parlamento. Ou uma AI.

A trama conta a história de June (Elisabeth Moss) uma mulher casada e com uma filha. A vida de June teve uma reviravolta espantosa quando uma rara epidemia atingiu os Estados Unidos. De uma hora para outra, apenas 1% das mulheres eram férteis.

The Handmaid’s Tale. Crédito George Kraychyk/Hulu

Enredo

Quando o regime totalitário decidiu que todas as mulheres férteis passariam a ser propriedades do estado, June tentou fugir com a marido e filha. Foi apreendida pelos “Olhos”, homens armados que passaram a ser a polícia americana. Depois disso, nada mais valia, nem os nomes não podiam mais ser os mesmos. As leis, passam a ser bíblicas, e os cumprimentos passaram a ser: “Sobre o seu olho”, “Abençoado seja o fruto” e “Que o Senhor possa abri-lo”.

June, se torna Offred, uma AIA. As AIAS são mulheres férteis enviadas para as casas do comandante para ter filhos sobre os joelhos de suas mulheres. O que isso significa?  Elas deitam na cama sobre as pernas das esposas, que presencia o militar fazendo sexo com a “escrava”.

Continua após a publicidade

 

Isso acontecia, pois era seguido o versículo bíblico que diz: “Vendo Raquel que não dava filhos a Jacó, teve inveja de sua irmã, e disse a Jacó: Dá-me filhos, se não morro.  E ela disse: Eis aqui minha serva Bila; coabita com ela, para que dê à luz sobre meus joelhos, e eu assim receba filhos por ela.” Gênesis 30:1:3

Antes de irem para a casa dos comandantes, as AIA’s eram treinadas no Centro Vermelho, sobre responsabilidade das “Tias”. Por elas, eram ensinadas ao ato de estar com o comandante sobre os joelhos das mulheres, aprendiam os cumprimentos, a como abaixar a cabeça quando os homens passam por elas, e a respeitar as mulheres dos comandantes sobre qualquer circunstância.

June passa a seguir as ordens de Serena Joy Waterford (Yvonne Strahovski) esposa, e incumbida de servir o Comandante Waterford (Joseph Fiennes). A única coisa que a mantem viva, é a esperança de reencontrar sua filha.

The Handmaid’s Tale. Crédito George Kraychyk/Hulu

Elenco

Elisabeth Moss apresenta uma atuação drástica. Sempre com um olhar profundo e as vezes até mesmo olhando diretamente para a câmera. É como se ela pudesse atravessar a quarta parede e provar que aquilo tudo está realmente acontecendo, e é uma história contada diretamente do personagem para o expectador, sem meios termos. Não ficando por menos, todas as presenças femininas são marcantes. Elas carregam dentro de si uma raiva contida que pode ser apreciada a cada cena.

The Handmaid’s Tale, (em português, O conto da AIA) é transmitida pela emissora americana Hulu, com novos episódios todas as quartas-feiras. A curiosidade é que antes mesmo de chegar ao seu quarto episódio, a série já havia sido confirmada para a sua segunda temporada.

* Com supervisão de Carolina Braga.

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

“Madrigal para um poeta vivo”: encontro com o existencialismo mediado pelo cinema

O paulista Francisco Pinto Campos Neto atingiu um novo patamar de notoriedade recentemente quando foi personagem em uma matéria de televisão sobre o fato de ser escritor e coveiro. A participação no programa fora apenas uma tentativa de divulgar “As Núpcias do Escorpião”, seu livro de contos lançado em 2013. A verdade é que Tico […]

Leia Mais

Sim, teve surpresa entre os indicados ao Oscar 2018. Confira a lista completa!

Durante o fim de semana, na Mostra de Cinema de Tiradentes, pelo menos dois amigos me perguntaram quais os filmes do Oscar eu já tinha visto. O detalhe curioso é que os indicados só saíram nesta terça (23). Ou seja, a coisa já está tão manjada que antes de sair a lista final já temos […]

Leia Mais

‘Bandeira de Retalhos’: A união fez a força no novo longa do veterano Sérgio Ricardo

Para entender o termo “cinema de mutirão” criado pelo compositor e cineasta Sérgio Ricardo, bastava olhar para o palco no momento da introdução de seu filme “Bandeira de retalhos”, na Mostra de Tiradentes. Uma verdadeira multidão se aglomerou ali. Era apenas metade da equipe do filme. “Afeto” foi uma palavra muito utilizada pelo respeitado artista […]

Leia Mais