Chris Martins e Yannick Falisse formam o duo Teach Me Tiger. Foto: Raul Sampaio
27 out 2016

Teach Me Tiger: o som do mundo a partir de BH

Chris Martins e Yannick Falisse formam o duo Teach Me Tiger. Foto: Raul Sampaio

Chris Martins e Yannick Falisse formam o duo Teach Me Tiger. Foto: Raul Sampaio

Sábado tem lançamento de Two Sides novo álbum do Teach Me Tiger. E o que isso tem de diferente? Será a minha oportunidade de matar a curiosidade de ver essa banda ao vivo em um cenário privilegiado: o Museu de Arte da Pampulha. Tentei algumas vezes, mas nunca consegui.

O Teach Me Tiger é um dos tantos exemplos da força da recente cena independente de Belo Horizonte. É, precisamente, um duo. Nasceu do encontro entre Chris Martins, paulistana radicada em BH e Yannick Falisse, belga que também “escolheu” a capital mineira para viver. A carreira musical, até então, não era o carro chefe da vida deles.

A química – que é muito prévia ao palco e à música – resulta em uma sonoridade que se parece muito pouco com o que estamos acostumados chamar de “banda local”. Aliás, isso é uma bobagem. Toda música é, ou deveria querer ser, universal. Teach Me Tiger vai por essa linha. Faz a música que interessa, independentemente de localidade. Por isso carrega originalidade.

Qualquer tentativa de descrever um estilo musical é reducionista. Só posso falar o que ela, a música, significa para mim. O som do Teach me Tiger me soa moderno. O modo como o duo associa voz, melodia, harmonia, efeitos representa aquilo que eu entendo como contemporâneo.

Oficialmente, Chris e Yannick dizem namorar com rock, trip hop, indie e dream pop. Pra mim é uma mistura disso tudo que resulta em outra que ainda não tem nome. Observo semelhança na linha melódica escolhida para o álbum.

Two sides é o primeiro disco cheio. Como toda banda conectada com nosso tempo, existe primeiro no digital (www.teachmetiger.biz). São dez faixas. O estilo é bem marcado na forma de cantar, na atmosfera sonora.

Sobre as letras, meu parco inglês me impossibilita opinar. Sim, eles cantam em inglês. Sempre cantaram. Confesso também que nas primeiras audições a sonoridade me captou mais que as letras. Deixo o exercício do verbo para depois ou para outro alguém.

Fato é que a audição de Two sides só fez aumentar a curiosidade de ver como Teach me Tiguer existe em um palco. E que seja em um bem glamuroso como o Museu de Arte da Pampulha.

O recado no release é bem preciso: o show está marcado para 18h e começa na hora. A entrada é franca, mas sujeito à lotação do auditório do MAP.

Teach Me Tiger no projeto Modular
Sábado, 29/10/2016, às 18h
Museu de Arte da Pampulha – Av. Dr. Otacílio Negrão Lima, 16585, Pampulha, Belo Horizonte
www.teachmetiger.biz

Ouça o disco Two sides

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Claudia Manzo: cantora ‘brachilena’ que é puro borogodó

A cantora chilena Claudia Manzo tem um borogodó que nem ela sabe explicar. Diz já ter nascido com ele. Só deixa sair. O talento musical e esse gingado estão com ela desde a infância. Hoje, aos 32 anos, é sucesso na cena musical belo-horizontina. Na capital mineira fundou bloco de carnaval, lançou carreira solo, integra uma […]

Leia Mais

Sarará e Sensacional se unem e trazem Criolo, Mallu Magalhães, Johnny Hooker e outras 20 atrações

Criolo, Emicida, Mallu Magalhães, Maria Gadu, Johnny Hooker, Gloria Groove e outras 17 atrações musicais se apresentarão juntas em BH. O evento está marcado para o dia 18 de agosto na Esplanada do Mineirão com ingressos a 25 reais. O line up surge da junção dos dois grandes festivais da capital mineira o Sarará e […]

Leia Mais

Rodeada de mulheres, Julia Branco, de Todos os Caetanos, chega ao primeiro disco solo

Mariana Peixoto* Júlia Carreira solo como cantora ok, mas compositora também? Esta foi a proposta que Julia Branco, cantora do grupo Todos os Caetanos do Mundo, recebeu do produtor Chico Neves. “Ele queria que eu gravasse uma afirmação do meu lugar de compositora, coisa que nos Caetanos era meio tímida”, comenta ela. Dessa forma, o […]

Leia Mais

Comentários