Star Wars: The Last Jedi..Photo: Film Frames Industrial Light & Magic/Lucasfilm..©2017 Lucasfilm Ltd. All Rights Reserved.
12 dez 2017

Novo ‘Star Wars’: “os últimos” serão os primeiros

Star Wars: The Last Jedi..Photo: Film Frames Industrial Light & Magic/Lucasfilm..©2017 Lucasfilm Ltd. All Rights Reserved.

Por Matheus Bongiovani*

O encontro da heroína Rey (Daisy Ridley) com o mestre Jedi Luke Skywalker (Mark Hamill) em O Despertar da Força, de 2015, trouxe uma onda de nostalgia e empolgação aos fãs de Star Wars. A expectativa em ver a jovem treinando para ajudar a Aliança Rebelde na luta contra Primeiro Império é o que faz milhares de fãs contarem os minutos para o dia 14 de dezembro. É a data da estreia mundial do novo filme da saga: Os últimos Jedi.

Desde os anos 1970 a franquia criada por George Lucas encanta espectadores pelo mundo. Aventura, romance, humor, efeitos visuais, crítica social bem feita, personagens cativantes, trilha sonora marcante e um vilão inesquecível foram os principais ingredientes para a fabricação deste fenômeno.

Clima de despedida

A espera pelo próximo episódio tem sido conturbada para os fãs. A expectativa para o filme de Rian Johnson (Looper: Assassinos do Futuro), construída desde seu anuncio oficial em 2014 – reforçada por vários materiais de divulgação lançados ao longo dos meses- foi lamentavelmente substituída pelo luto em 2016. Foi a ocasião da morte precoce da atriz Carrie Fisher. Ela dava vida à icônica princesa Leia.

Apesar das dificuldades, é notável a capacidade de Star Wars em manter o público fiel e arrastar uma multidão de espectadores para o cinema. Para o estudante Lucas Victor, de 24 anos, a saga foi um divisor de águas para Hollywood. “É uma aventura genuína, que utiliza a jornada do herói de forma impecável. Além de possuir várias referências interessantes, consegue ser extremamente original”, opina.

A oportunidade de matar a saudade das aventuras interestrelares é um atrativo para os fãs de todas as gerações, e a chance de se despedir da querida Princesa Leia deve trazer uma carga extra de emoção à experiência. Eis o fator que deve contribuir para que “Os Últimos Jedi” assuma, como seu antecessor, o topo da lista de maiores bilheterias do ano.

Star Wars: The Last Jedi..Photo: Film Frames Industrial Light & Magic/Lucasfilm..©2017 Lucasfilm Ltd. All Rights Reserved.

Expectativas

Maristela Bretas é uma das admiradoras antigas que está ansiosa para o novo filme da série. Hoje com 56 anos, a jornalista assistiu a todos os filmes no cinema, desde Uma nova esperança, em 1977. “A escolha dos diretores e roteiristas tem sido acertada e, até agora, os dois filmes apresentados – mesmo que Rogue One não seja da trilogia – foram excelentes”, opina.

Maristela compara a experiência de acompanhar essa aventura hoje em dia com a de ser fã nos anos 70, quando as inovações tecnológicas apresentadas eram mais valorizadas pelo público. “Os novos fãs também curtem muito, lotam salas, compram ingressos antecipados e muito caros – o que não existia no início da saga – mas encaram os efeitos visuais com muita naturalidade, uma coisa comum, que já faz parte da vida deles”, reflete.

Além dos fãs “das antigas”, há também toda uma nova geração, cujos pertencentes foram atraídos pelo renascimento anunciado em 2012, quando a LucasFilm foi comprada pela Disney. O professor Frederico Dias, de 24 anos, é um dos que correram para ver os filmes quando ficou sabendo de “O Despertar da Força”. Para ele, todos os longas são definidores de gênero. “É uma saga tão conhecida e referenciada na cultura pop, que apreciá-la se torna quase que uma obrigação”, explica.

Star Wars: The Last Jedi..Photo: Film Frames Industrial Light & Magic/Lucasfilm..©2017 Lucasfilm Ltd. All Rights Reserved.

Fenômeno

Trata-se de uma das franquias cinematográficas mais bem sucedidas do mundo. O desempenho de “O despertar da força” em 2015 foi prova disso. O site Rottentomatoes, que faz uma curadoria das principais críticas dos filmes e apresenta uma média da recepção, atribuiu ao filme um percentual de 93% de aprovação.

Além disso, o longa arrecadou mais de 900 milhões de dólares somente nos EUA e se tornou a maior bilheteria de 2015, desbancando sucessos como “Jurassic World” e “Os Vingadores: Era de Ultron”.

Star Wars possui o diferencial de ser uma franquia totalmente original e exclusiva para os cinemas. Os fãs de Harry Poter, por exemplo, que podiam aliviar a ansiedade lendo os livros que deram origem aos filmes. Já os admiradores de Star Wars não têm outra alternativa a não ser aguardar pela experiência audiovisual.

* Com a supervisão de Carolina Braga. 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Desobediência: o peso da crença na busca pela liberdade

Sempre gostei de explorar a primeira ideia que vem à mente assim que um filme termina. O que bate de imediato é a mensagem que geralmente fica. Pois saí da sessão de Desobediência pensando no quanto, mesmo no século XXI, o ser humano ainda se deixa controlar por crenças, simbologias. Já foram muitas conquistas de […]

Leia Mais

CineOP 2018 a valorização de atividades de formação e da cena local

O investimento em atividades de formação para o crescimento da indústria audiovisual e a valorização da cena local são os pilares mais fortes da CineOP 2018. Essa é a percepção que fica após seis dias de Mostra, que ocupou Ouro Preto entre 13 e 18 de junho. É dessa forma, que se diferencia dos demais. Nesta […]

Leia Mais

Documentários sobre Bethânia e Adoniran são ovacionados na CineOP

A CineOP é uma Mostra voltada para o cinema como patrimônio e faz um resgate histórico sobre o tema de cada edição. Assim, a maioria dos filmes em exibição não são inéditos. Mas há alguns. As pré-estreias destacadas nesta edição foram  ‘Fevereiros’, de Marcio Debellian, e ‘Adoniran – Meu nome é João Rubinato’, de Pedro Serrano. […]

Leia Mais

Comentários