23 nov 2016

Roteiro fraco prejudica filme sobre a vida da cantora Elis Regina

Andréa Horta no filme Elis. Crédito: André e Carioba

Andréa Horta no filme Elis. Crédito: André e Carioba

É muito delicado escrever sobre um filme para o qual já existia expectativa. A experiência diante de Elis, cinebiografia dirigida por Hugo Prata sobre a cantora brasileira não escapou desse julgamento implacável. Esperava ver algo mais intenso e mais fiel do que imagino ter sido Elis Regina.

O desapontamento não tem nada a ver com o trabalho da atriz Andrea Horta e do elenco em geral, da recriação da época, a direção de arte, o figurino ou a fotografia. De que valem estes elementos impecáveis se o roteiro é superficial? Sim, o roteiro de Elis, o filme, é fraco. Não consegue dar conta do que aquela mulher foi e representa.

A própria Elis Regina se apresentava como “a maior – e menor ao mesmo tempo – cantora do Brasil.” Sinal de que humor também não faltava à artista conhecida pelo talento, claro, mas também pelo temperamento difícil, a personalidade forte, e uma obra insuperável.

Uma condição para ver Elis como uma personagem rica em nuances é se distanciar do mito. Fazer escolhas, em sua maioria, delicadas. O diretor Dennis Carvalho se aproximou bem mais disso no musical que circulou o País, batizado apropriadamente de Elis, a musical.

O longa tem lacunas. É um filme sobre o ícone da música popular brasileira ou sobre a mulher (suas inconstâncias, inseguranças) que deu vida a ele?

Elis foi dirigido por Hugo Prata. Crédito: André e Carioba

Elis foi dirigido por Hugo Prata. Crédito: André e Carioba

O roteiro de Elis não responde a essa pergunta. Assim, a produção de quase duas horas, fica no meio termo na tarefa de retratar um período histórico da cultura brasileira e ao mesmo tempo mergulhar nos conflitos pessoais da artista.Não faz bem uma coisa nem outra.

No quesito histórico deixa de fora, por exemplo, o encontro com Tom Jobim para a gravação do disco Elis & Tom. Ok, a gente releva porque estamos cansados de saber que um filme não tem obrigação de dar conta de toda a biografia. Mas fica a pergunta: por que cortar logo esse episódio da carreira dela?

E a amizade – e admiração – por Milton Nascimento. Também não aparece. Se existem lacunas na linha do tempo musical, elas são bem maiores ao falar da mulher.

INTENSIDADE

O jornalista do Estadão, Júlio Maria, biógrafo de Elis Regina (ele escreveu o livro Nada será como antes) fez uma crítica muito interessante. Foi publicada na ocasião da estreia do longa no Festival de Gramado. Recomendo a leitura.

O colega é preciso: falta ao filme de Hugo Prata um pouco mais de Elis Regina de verdade. É suave demais para contar a história de uma mulher que passou muito longe disso. Elis nunca foi “soft”.

Nos restam perguntas. Muitas. A principal delas: o que levou aquela mulher a sucumbir daquela forma? Claro que não existe resposta a essa questão. Quando entrei no cinema gostaria, ao menos, conhecer suas fragilidades, suas dicotomias ainda que ficcionalizadas, afinal, é cinema. Não encontrei. Será que o problema é meu? (ehehehe).

Apesar de tudo, devo reconhecer que se trata de uma obra bem realizada em sua forma. No início a dublagem gerou estranhamento (todas as canções são interpretadas pela própria Elis) mas passou rápido. Andrea Horta surpreende como atriz, mesmo que em alguns momentos seja caricatural na construção da personagem. Destaco também o trabalho dos atores Gustavo Machado (como Ronaldo Bôscoli), Lúcio Mauro Filho (quase irreconhecível como Miele) e Caco Ciocler (como César Camargo Mariano).

De maneira geral, estou de acordo com Júlio Maria: falta mais Elis Regina a Elis.

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

‘Eu, Tonya’:  drama familiar mais pesado que uma biografia esportiva

Eu, Tonya começa como se fosse um documentário. Apesar de se basear em fatos reais, é um longa de ficção que comete pequenas ousadias na forma como conta a história da patinadora Tonya Harding. Além dos falsos depoimentos, em alguns momentos da narrativa, no meio da cena, os personagens se distanciam da ficção e fazem […]

Leia Mais

‘The Post: a guerra secreta’: as impressões decantadas sobre o belo encontro entre Meryl, Hanks e Spielberg

Eu sou suspeita para escrever qualquer coisa sobre filmes que tem o jornalismo como protagonista. A paixão pela profissão me faz sair emocionada na maioria das experiências que tive com o gênero. Com The Post: A Guerra Secreta não foi diferente. Sabe aquela coisa de achar maravilhosa toda cena que tem rotativa, o ritual do […]

Leia Mais

‘Três anúncios para um crime’: o violento preço da passionalidade

Três anúncios para um crime faz pensar sobre impunidade. Sobre a raiva também. É um filme forte. O mais tenso entre os nove indicados ao Oscar em 2018. Mais até do que os de guerra. Em reconstituições de época – como Dunkirk e O destino de uma nação, por exemplo – somos “protegidos” pelo distanciamento […]

Leia Mais

Comentários