17 out 2016

[PONTO DE VISTA] O Topo da Montanha é simples e potente

14716664_1706824796303670_4356786607127265280_nA frase de Lázaro Ramos sobre O Topo da Montanha ser “teatro no mais puro dos sentidos” me perseguiu ao longo do fim de semana. De uma forma geral, me parece que as montagens teatrais tem se distanciado disso – do mais puro, daquilo que faz teatro ser teatro e nada mais. Seria mais uma? Por isso minha curiosidade redobrou para ver o que Lázaro Ramos e Tais Araújo levaram para o Palácio das Artes.

Meu arrepio no fim da sessão não deixou dúvidas. O Topo da Montanha é um espetáculo muito simples. Essa é a questão. Se apoia na tríade essencial: texto, ator e direção. Teatro bom não precisa mais do que isso. É “o teatro no mais puro dos sentidos”.

O texto da dramaturga norte-americana Katori Hall reconstrói ficcionalmente a última noite de Martin Luther King. Com frases rápidas, diretas, sem pieguice, mas com peso histórico, ela mistura humor a temas como racismo, feminismo, luta de classes, religião e até vaidade. A atualidade do espetáculo está na costura destas causas.

Na prática, O Topo da Montanha diz sobre o contexto do final dos anos 1940, quando Luther King defendia o amor como saída para os conflitos da época. Na noite anterior ao assassinato deste ícone da luta negra, ele recebe no quarto do hotel a espevitada camareira Camae. Ela provoca, questiona e desafia.

A forma como as informações – sejam os fatos históricos ou mesmo as defesas sociais de Luther King – nos são reveladas no decorrer do espetáculo. Nada é datado. A luta continua. E, sim, ainda tem a quem incomodar.

É uma peça que oferece a seus intérpretes a possibilidade de um jogo dinâmico nem um pouco rasteiro. Intimidade é o que não falta a Lázaro Ramos e TaÍs Araújo. Confesso que ela me surpreendeu mais, talvez por não conhecer tanto a trajetória dela nos palcos. Ambos acertam o tempo dos seus personagens. É uma peça de muitas nuances e viradas de clima intensas. Por causa disso, o riso não fica gratuito e nem o drama pesado.

Lázaro Ramos assina a direção. Fez escolhas que ressaltaram o protagonismo da palavra.  Por isso o jogo dos atores se mostra tão importante.  Por vezes, o entra e sai do banheiro ou a estrutura que demarca o território do quarto do hotel oferece ao cenário protagonismo desnecessário. Apenas um detalhe em uma montagem de inúmeros acertos.

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Cinco peças da Campanha que o Culturadoria viu e recomenda

Nightvodka A parceria do Grupo Armatrux com o diretor Eid Ribeiro é de longa data. Mesmo assim, eles conseguiram sair de uma zona de conforto para fazer Nightvodka. O espetáculo se inspira na literatura de Svetlana Alexijevich. É um potente flerte com a performance. Quando vi achei a primeira parte da peça um pouco arrastada, […]

Leia Mais

Política cultural chama atenção no lançamento da Campanha de Popularização 2018

As novidades anunciadas na abertura da Campanha de Popularização estão muito mais no campo da legislação cultural do que propriamente no cardápio de atrações artísticas. Em 2018 o tradicional evento da cidade vai até o dia 04 de março. A expectativa é que atraia 250 mil espectadores durante as oito semanas. O café da manhã […]

Leia Mais

“O Rei da Vela”: Antropofagia Oswaldiana revisitada

Por Márcia Mendonça O que há em comum entre a montagem da peça O Rei da Vela, de 1967, e a de hoje? Qual a atualidade do texto de Oswald de Andrade? São épocas, espaços e contextos diferentes. Cinquenta anos separam a estreia do espetáculo, na turbulenta década de 1960, na capital paulista, da remontagem de […]

Leia Mais

Comentários