Exibição do documentário " PITANGA " direção: Beto Brant e Camila Pitanga no Cine Praça - Foto Leo Lara/Universo Produção
22 jan 2017

‘Pitanga’ comove público na praça de Tiradentes

Exibição do documentário " PITANGA " direção: Beto Brant e Camila Pitanga no Cine Praça - Foto Leo Lara/Universo Produção

Exibição do documentário ” PITANGA ” direção: Beto Brant e Camila Pitanga no Cine Praça – Foto Leo Lara/Universo Produção

Pode ser uma questão de safra ou apenas uma flexibilidade maior da curadoria. Fato é que a Mostra de Cinema de Tiradentes fez as pazes com filmes com viés mais popular. O que é ótimo. A sessão do documentário Pitanga no Cine Praça, confirmou isso.

Uma das novidades desta edição é a realização de um debate logo após a exibição do filme. Dá para imaginar o que virou Camila Pitanga, diretora do filme, na Praça de Tiradentes? Loucura. Chegaram a colocar grades e ela reagiu. “Por favor, tirem essas grades. Não vamos precisar disso”, disse. Ela, sempre simpática e elegante, falou com tranquilidade e alegria.

O assédio à Camila Pitanga e ao pai dela e protagonista do longa, Antônio Pitanga, fez lembrar edições passadas, de praça lotada e comoção.

E tudo combinou: se o público estava entregue, os artistas estavam sintonizados na mesma energia e o filme perfeito para alinhavar isso tudo. E como o povo riu na sessão!!!!!

Pitanga foi dirigido por Camila Pitanga e Beto Brant. O documentário quebra o formato tradicional do gênero ao colocar seu protagonista reencontrando amigos e amores. A medida que ele vai conversando, rindo e brincando vamos conhecendo o homem irreverente, livre, político, o amante incansável, o ator talentoso, o pai e o avô dedicado.

Da Bahia ao Rio de Janeiro, ao longo de seus 77 anos de vida, Antônio Pitanga foi colecionando afetos. Se teve desafetos eles não aparecem no filme. As razões são óbvias: Pitanga não deixa de ser um olhar de filha para o pai.

Debate sobre o documentário 'Pitanga'. Foto: Leo Lara/Universo Producao

Debate sobre o documentário ‘Pitanga’. Foto: Leo Lara/Universo Produção

A lista de amigos com os quais Antônio Pitanga vai se encontrando ao longo do documentário é invejável. São mais de 30, entre eles, a nata da música brasileira, do cinema e do teatro.

Os pontos altos são a revelações amorosas. Maria Bethânia flertaram na adolescência. Na lista de namoradas também passaram Maria Creuza, Zezé Motta e várias outras. Tudo contado com muito humor.

A exibição de Pitanga no Cine Praça e a abertura do festival com Divinas Divas, documentário dirigido por Leandra Leal, no Cine Tenda demonstra coerência da curadoria da Mostra de Cinema de Tiradentes. No primeiro fim de semana conhecemos a transformação de duas talentosas atrizes em diretoras. Curiosamente o caminho escolhido por ambas foi contar histórias que tem profunda relação com a família. Afeto puro.

Culturadoria viajou a convite da Mostra de Cinema de Tiradentes

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Desobediência: o peso da crença na busca pela liberdade

Sempre gostei de explorar a primeira ideia que vem à mente assim que um filme termina. O que bate de imediato é a mensagem que geralmente fica. Pois saí da sessão de Desobediência pensando no quanto, mesmo no século XXI, o ser humano ainda se deixa controlar por crenças, simbologias. Já foram muitas conquistas de […]

Leia Mais

CineOP 2018 a valorização de atividades de formação e da cena local

O investimento em atividades de formação para o crescimento da indústria audiovisual e a valorização da cena local são os pilares mais fortes da CineOP 2018. Essa é a percepção que fica após seis dias de Mostra, que ocupou Ouro Preto entre 13 e 18 de junho. É dessa forma, que se diferencia dos demais. Nesta […]

Leia Mais

Documentários sobre Bethânia e Adoniran são ovacionados na CineOP

A CineOP é uma Mostra voltada para o cinema como patrimônio e faz um resgate histórico sobre o tema de cada edição. Assim, a maioria dos filmes em exibição não são inéditos. Mas há alguns. As pré-estreias destacadas nesta edição foram  ‘Fevereiros’, de Marcio Debellian, e ‘Adoniran – Meu nome é João Rubinato’, de Pedro Serrano. […]

Leia Mais

Comentários