21 maio 2017

Encontro de Paulinho da Viola e Marisa Monte celebra a nobreza do samba

Marisa Monte e Paulinho da Viola celebram o samba. Crédito: Carolina Braga

Quem não saiu do  KM de Vantagens Hall (Ex-BH Hall) cantarolando um samba na noite de sábado (20/05)? Os mais discretos, talvez. O encontro entre Paulinho da Viola e Marisa Monte celebrou a elegância do samba carioca, com licença para baladas e até uma canção em tom mais roqueiro. Estas, claro, foram minoria.

Marisa Monte só chegou ao palco para a oitava música. Escolheu uma canção do amigo, óbvio, para começar. Para ver as meninas, composta por ele em 1971 e gravada por ela no álbum Memórias, crônicas e declarações de amor (2000). Antes disso, sozinho e com a elegância que lhe é peculiar, o cantor e compositor ofereceu à plateia uma sequência de abertura que misturou sucessos a canções menos populares do repertório dele.

Sinal do repertório bem pensado é o show ter começado com a frase ‘‘Ah, meu samba, tudo se transformou” de Tudo se transformou (1970) e terminado como bis de Comida, rock dos Titãs, gravado por Marisa e que no encontro ganhou o toque do cavaquinho de Paulinho da Viola. É, tudo se transformou, mas nem tanto!

Continua após a publicidade

O encontro de Paulinho da Viola e Marisa Monte em cinco tópicos

POUCA FALA, MUITA MÚSICA

Se discrição é uma marca de Paulinho da Viola, Marisa Monte não faz diferente. É a se mostrou mais falante que ele, mesmo assim nem tanto. Contaram alguns poucos casos sobre os bastidores das canções. Pareceu que ele gosta mais de falar sobre a Velha Guarda da Portela. Ela ouve com atenção histórias que deve estar cansada de saber. E ainda diz: “Vocês não tem noção do privilégio que eu tenho de ver o show do lugar que eu estou”.

O REPERTÓRIO

Foram 30 canções, a maioria criada na década de 1970: 17 músicas são dessa época. De todo o repertório, 16 músicas foram compostas por ele, cinco por Marisa e parceiros e as outras homenagens à velha guarda do samba. Sentimentos (Mijinha, 1973), Quantas lágrimas (Manacéa, 1970), Preciso me encontrar (Candeia, 1976), Passado de glória (Monarco, 1970).  Canções que fizeram história na Portela foram a maioria. Entre os clássicos de Paulinho, destaque para Pecado capital (1975), Foi um rio que passou em minha vida (1979) e Coração leviano (1977).

RESPEITO DELA POR ELE

Paulinho da Viola sempre foi presença constante no repertório de Marisa Monte. Dança da solidão (1972) e Para ver as meninas (1971) são algumas que ela gravou, respectivamente em Barulhinho bom (1996) e Memórias, crônicas e declarações de amor (2000). Dizem que o amor (2002), de Argemiro Patrocínio e Francisco Santana, gravada por Marisa em 2002 é um exemplo de canção de que e

RESPEITO DELE POR ELA

Claro que Marisa Monte fica mais à vontade para cantar as músicas de Paulinho da Viola do que o contrário. Mas não é muito mais não. O sambista se deu muito bem na parte “dela” do set. Em especial nas versões de Universo ao meu redor (Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes, 2006), De mais ninguém (Marisa Monte e Arnaldo Antunes, 1994) e Carnavália (Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes, 2002).

FOI BOM, MAS PODE MELHORAR!

O cenário e a iluminação do show respeitaram a discrição dos artistas. O único porém é que a luz branca em Paulinho estava estourada. Olhando de longe, dependendo da composição da iluminação, não dava para ver direito … era tudo branco.

Além disso, o Km de vantagens Hall (nem Paulinho da Viola se lembrou desse nome na hora de agradecer ehehehe) não é adequado para o tipo de experiência que o encontro musical oferecia. A ideia de servir comidas e bebidas para quem está na pista poderia até ser legal, mas com regras. Elas parecem não existir. Durante a apresentação tinha gente que ligava a luz do celular para ler cardápio, garçons transitavam para lá e para cá com bandejas e as maquininhas de cartão (hello… a luz delas é igual de celular). Vamos repensar isso, gente?

Continua após a publicidade

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Claudia Manzo: cantora ‘brachilena’ que é puro borogodó

A cantora chilena Claudia Manzo tem um borogodó que nem ela sabe explicar. Diz já ter nascido com ele. Só deixa sair. O talento musical e esse gingado estão com ela desde a infância. Hoje, aos 32 anos, é sucesso na cena musical belo-horizontina. Na capital mineira fundou bloco de carnaval, lançou carreira solo, integra uma […]

Leia Mais

Sarará e Sensacional se unem e trazem Criolo, Mallu Magalhães, Johnny Hooker e outras 20 atrações

Criolo, Emicida, Mallu Magalhães, Maria Gadu, Johnny Hooker, Gloria Groove e outras 17 atrações musicais se apresentarão juntas em BH. O evento está marcado para o dia 18 de agosto na Esplanada do Mineirão com ingressos a 25 reais. O line up surge da junção dos dois grandes festivais da capital mineira o Sarará e […]

Leia Mais

Rodeada de mulheres, Julia Branco, de Todos os Caetanos, chega ao primeiro disco solo

Mariana Peixoto* Júlia Carreira solo como cantora ok, mas compositora também? Esta foi a proposta que Julia Branco, cantora do grupo Todos os Caetanos do Mundo, recebeu do produtor Chico Neves. “Ele queria que eu gravasse uma afirmação do meu lugar de compositora, coisa que nos Caetanos era meio tímida”, comenta ela. Dessa forma, o […]

Leia Mais