Pabllo Vittar mostra poder no palco e reforça título de Rainha Drag em BH

Show de Pabllo Vittar em BH. Crédito: Thiago Fonseca

Por Thiago Fonseca*

O público respondeu sim! Gritou e cantou. Pabllo Vittar certamente é o que comunidade LGBT necessitava na representatividade musical. Não é à toa que a artista estrelou música com Anitta e Major Lazer. O show, com plateia um pouco tumultuada, começou tarde. Os fãs ficaram impacientes com a espera. Anseio só terminou quando Pabllo subiu ao palco às 02h30 e por lá ficou cerca de 50 minutos.

A cantora de 22 anos, conhecida como vocalista da banda do programa da Globo “Amor e Sexo”, até poderia ser uma novidade descartável, mas sua voz aguda incomum, que mesmo quando canta sobre amores, não deixa de rebolar, garante o caminho inverso.

Completo

Nada de pocket show de boate, de aperitivo para casa LGBT ou “meia-performance”. Pabllo tudo que seu público — e muitos curiosos — esperava e com muita humildade.

“Nêga” foi escolhida para abrir a noite. Seguida de “Corpo Sensual”, “Joia”, “Ele é o tal” e “Amante”. Antes de começar “Então vai” a cantora disse que requebra o bumbum mas tem sentimentos. “Não sou apenas um pedaço de carne”. Dedicou a música para quem está sofrendo por amor ou fez alguém sofrer.

Na introdução de “Indestrutível”, música mais dramática do disco, Vittar agradeceu a presença de todos e a boa energia. Disse ser encantada pelos belohorizontinos. “Todo dia” não fechou o show, mas animou o público bem no meio. A canção foi hit do carnaval e fez Pabllo estourar em todo o Brasil.

O videoclipe “Todo Dia”, chegou a marca de 19 milhões visualizações na internet, ultrapassando o clipe da canção “Sissy That Walk” da Drag americana RuPaul, que ocupava o posto até então. A música também alcançou o 3º lugar na lista Viral 50 Global do Spotify. Pabllo é considerada a Drag com mais visualizações no Youtube em todo o mundo.

Após o sucesso de “Todo dia” Pabllo seguiu com “Minaj”. “Sua cara”, a nova música gravada com Anitta e Major Lazer, foi a antepenúltima. Não teve um que não cantou.

“Oper bar”, uma das primeiras músicas a consagrar a Drag foi a penúltima. Ovacionada ao cantar “K.O”, música que encerrou a noite. O single em menos de 24 horas alcançou milhões de visualizações e fez com que a cantora ficasse em top1 do Youtube.

Pabllo é o apogeu da representatividade gay. As músicas mostram o espaço de luta LGBT e a mensagem de que as pessoas podem ser o que quiserem. Não é um repertório só divertido. É também político e que respeita as diferenças.

Show de Pabllo Vittar em BH. Crédito: Thiago Fonseca

SET LIST

Nêga

No Chão

Corpo Sensual

Joia

Ele é o tal

Amante

Então vai

Indestrutível

Todo dia

Minaj

Sua cara

Open bar

K.O

 

*Sob a supervisão de Carolina Braga