12 abr 2017

‘Nu de botas’: encontro feliz entre a literatura e o teatro

Cena do espetáculo ‘Nu de botas’. Crédito: Renato Mangolin/Divulgação

É sempre uma sensação maravilhosa quando somos surpreendidos por uma peça de teatro. Não que antes não reconhecesse seu valor. Mas é diferente quando o espetáculo te pega de uma maneira que não supunha. Aconteceu comigo com Nu de botas, montagem em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de BH até o dia 01 de maio. Ri e não foi pouco.

Dirigido por Cristina Moura, Nu de botas é baseado no livro homônimo de Antônio Prata. Se a literatura dele por si só carrega graça, a transposição para o palco tem outros valores. Tem um elenco profundamente sintonizado com o desafio tornar possível – e bastante amigável – o encontro do teatro com a literatura, respeitando a potencialidade de cada expressão artística.

Não há adaptação do livro para o palco. No máximo alguns cortes. O texto que os atores dizem em cena tem exatamente as mesmas frases e palavras escolhidas por Prata para narrar a própria infância no livro. Poderíamos dizer que é uma vertente daquilo que o diretor Aderbal Freire-Filho chamou de Romance em cena. No caso seria crônica em cena.

Sendo, portanto, crônica em cena, a montagem valoriza o acordo tácito – e sempre potente – entre palco e plateia sobre os códigos teatrais. Um simples copo d’água pode representar uma onda do mar, assim como cadeiras viram automóveis, adultos são crianças, mulheres são homens e por aí vai.

É um jogo vivo. O imaginado é mais forte que o real. Assim como na mente de qualquer criança.

Equilíbrio entre os elementos da cena

A relação entre teatro e literatura também aparece explícita no cenário assinado por Radiográfico. A casa embrulhada em papel craft é uma referência metafórica da memória do protagonista sobre a residência cor ocre da infância. Em diversos sentidos Nu de botas aposta  na representação de um imaginário.  Quem não guarda memórias de infância?

Todos os atores interpretam Antônio. A dramaturgia de Cristina Moura e Pedro Brício cuida de, aos poucos, aproximar o público da dinâmica proposta pela peça. Todos nós devemos embarcar na cabeça daquela criança, nas relações que estabelece com a família, os amigos e o mundo. Se no início os monólogos são mais marcados, a medida que a montagem estreita a cumplicidade com o espectador tudo se mistura.

Neste momento fica claro o quanto Luciana Paes, Isabel Gueron, Thiare Maia/Keli Freitas, Pedro Brício e Renato Linhares realmente se apropriaram da dinâmica do texto de Antônio Prata para dar vida à ele. As melhores comédias são sempre aquelas que os atores não apenas se divertem fazendo mas que dão indícios de que não se levaram tão a sério na hora de criar. Deixaram o adulto de lado para reencontrar com a criança que cada um carrega. É o que garante leveza ao resultado final.

Assim como a sutil passagem entre uma crônica e outra na construção dramatúrgica, a trilha sonora e a iluminação são precisamente discretas. Ambos elementos contribuem para a narrativa, mas sem chamar grande atenção. Destaco a versão de Creep, do Radiohead, feita por Domenico Lancelotti. A canção surge para marcar as cenas e não passa despercebida.

Um recurso pouco explorado e que não acrescenta muito à narrativa é o vídeo. A peça sobrevive muito bem sem as imagens.

O espetáculo tem uma trajetória de humor ascendente. Todas as crônicas escolhidas tem seu valor mas as melhores –  na minha opinião, claro –  ficam da metade para o final. Foi quando eu disparei a rir e quase não parei. A comédia do cotidiano de Antônio Prata é simples e sofisticada, ao mesmo tempo.

Shakespeare nas dunas, África, Ca Ce Ci Co Çu e Blowing in the Wind, o impagável passeio familiar ao pico do Jaraguá, são os textos que ao visitar o universo do teatro demonstram o quanto encontro com a literatura não é somente possível mas pode ser bastante prazeroso.

SERVIÇO

[O QUE] “Nu de Botas”, com direção de Cristina Moura. [QUANDO] 07 de abril a 01 de maio,às 20h. [ONDE] CCBB (Praça da Liberdade, 450,Funcionários,BH, (31) 3431-9400). [QUANTO] R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia).

COMPRE AQUI

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Diálogo Crítico: as reverberações psicanalíticas de ‘Mergulho’

Culturadoria dá continuidade à série Diálogo Crítico com um convidado. Fernando Araújo, psicólogo e antropólogo é quem escreve sobre Mergulho. O espetáculo dirigido por Rita Clemente, com André Senna, Flávia Pyramo e Bruno Figueroa esteve em cartaz durante o Verão Arte Contemporânea 2018.   Crítica de Fernando Araújo Escrever a respeito de um espetáculo, remete-nos, […]

Leia Mais

Crítica em Diálogo: ‘Suave coisa nenhuma’ e as sutilezas cruéis das relações abusivas

Crítica em diálogo é um projeto que começa a tomar contornos mais fortes dentro do Culturadoria. Ele surge porque eu não acredito mais em uma crítica de teatro horizontalizada. Por isso, procuro o diálogo com quem cria a peça. Dessa conversa, sai um texto – geralmente longo – que tem como objetivo ampliar a compreensão […]

Leia Mais

Confira as dicas de teatro infantil em cartaz na Campanha de Popularização 2018

Desde que me tornei uma tia coruja me aproximei do universo do Teatro Infantil. Descobri que é preciso escolher com muito cuidado no que levar as crianças. Se para as produções voltadas ao público adulto não é fácil, imagina para quem faz arte para criança. Só pra começar o ingresso tem que ser mais barato […]

Leia Mais

Comentários