16 jan 2017

Manchester à Beira-Mar e as coisas que foram feitas para se viver com elas

Casey Affleck como o introspectivo Lee

Casey Affleck como o introspectivo Lee

Em uma das cenas finais da peça Amores surdos, montagem do grupo mineiro Espanca!, com texto de Grace Passô, uma família precisa aprender a conviver com um hipopótamo enorme. O animal foi criado escondido dentro de casa.

Quando descoberto, um dos irmãos pensou em matar. A mãe, então, gritou: “Tem coisas que foram feitas para se viver com elas. Viver com elas”, repetiu para ecoar no silêncio da plateia. Manchester à Beira-Mar faz lembrar isso.

Sim, tem coisas que, por mais duras que elas sejam, foram feitas para se viver com elas. Os fatos que abalam a vida de Lee Chandler (Casey Affleck, vencedor do Globo de Ouro de melhor ator de drama pelo papel) são deste tipo. Nem por isso Manchester à Beira-Mar é um dramalhão derramado. O filme é tão seco quanto seu protagonista.

O diretor Kenneth Lonergan (roteirista de Gangues de Nova York) não tem pressa em nos apresentar o contexto que transformou a vida do protagonista em um vazio quase insustentável. Metaforicamente, o fez conviver com o hipopótamo.

Conhecemos Lee como zelador temperamental, funcionário de um prédio na nevada Boston. Leva uma vida medíocre. Entremeada à rotina do presente do personagem, o diretor vai construindo o passado a partir dos afetos dele. A sutil montagem é séria candidata a uma indicação ao Oscar.

O sobrinho e o irmão são os primeiros da lista e razão pela qual Lee é obrigado a voltar à cidade natal, Manchester. Joe Chandler (Kyle Chandler) morre e cabe ao irmão os trâmites do enterro. Cabe a ele também a guarda do sobrinho adolescente Patrick (Lucas Hedges). Não é uma volta simples. O mérito do filme está em como o diretor consegue disparar todas emoções (pesadas!) a partir disso.

Kenneth Lonergan faz um longa onde tudo é contido. As cores do inverno de Manchester e a mudança das estações ajudam a dar a dimensão da jornada dos protagonistas.

As interpretações de Casey Affleck e Michele Williams (custei a reconhecer) são tão boas quanto irritantes. São personagens tomados por uma apatia que sufoca, os próprios e os espectadores (a mim, pelo menos). Dar equilíbrio a esse vazio existencial que eles levam para a tela é tarefa do jovem Lucas Hedges como Patrick. Ele demonstra que mesmo em uma situação difícil, tem lugar para humor e leveza.

Sim, Patrick ele sabe que “tem coisas que foram feitas para se viver com elas”. Com o tio aprende, no entanto, que todo mundo tem um limite. É próprio do humano. É preciso respeitar.

Casey Affleck e Michele Williams

Casey Affleck e Michele Williams

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

‘Eu, Tonya’:  drama familiar mais pesado que uma biografia esportiva

Eu, Tonya começa como se fosse um documentário. Apesar de se basear em fatos reais, é um longa de ficção que comete pequenas ousadias na forma como conta a história da patinadora Tonya Harding. Além dos falsos depoimentos, em alguns momentos da narrativa, no meio da cena, os personagens se distanciam da ficção e fazem […]

Leia Mais

‘The Post: a guerra secreta’: as impressões decantadas sobre o belo encontro entre Meryl, Hanks e Spielberg

Eu sou suspeita para escrever qualquer coisa sobre filmes que tem o jornalismo como protagonista. A paixão pela profissão me faz sair emocionada na maioria das experiências que tive com o gênero. Com The Post: A Guerra Secreta não foi diferente. Sabe aquela coisa de achar maravilhosa toda cena que tem rotativa, o ritual do […]

Leia Mais

‘Três anúncios para um crime’: o violento preço da passionalidade

Três anúncios para um crime faz pensar sobre impunidade. Sobre a raiva também. É um filme forte. O mais tenso entre os nove indicados ao Oscar em 2018. Mais até do que os de guerra. Em reconstituições de época – como Dunkirk e O destino de uma nação, por exemplo – somos “protegidos” pelo distanciamento […]

Leia Mais

Comentários