05 dez 2016

Inhotim registra seus dez anos em livros com ensaios e fotos

Crédito William Gomes

Coleção de livros lançada por Inhotim encerra as comemorações de dez anos. Foto: William Gomes

A primeira reação diante da caixa que guarda os três volumes de livros lançados pelo Inhotim no encerramento das comemorações de seus dez anos de operação é surpresa. Primeiro porque é bonito. Depois porque carrega uma verdade estampada no título da coleção: Inhotim – um estado de espírito. E é.

O ano foi movimentado por lá. Talvez como nunca em sua história tantas vezes pessoas de outras tribos ocuparam seus gramados para ver performances, shows de diversos estilos musicais. Relação com arte contemporânea? Nem tão direta assim. Também teve polêmica, vide Meca, Merreca e afins. Mas e o livro, hein?!?.

Como são três volumes, cada um foi pensado para ter uma vocação. Artenatureza olha para Inhotim pensando a relação espaço tempo. De maneira objetiva, organiza uma cronologia das instalações que lá habitam. Deleite (1999), de Tunga é a primeira.

Os textos são assinados pelos curadores Allan Schwartzman e Jochen Volz além de Lucas Sigefredo, Fabio Rubio Scarano, Luiz Zerbini e outros.

O segundo volume (essa ordem é minha, tá?), Futuromemória, se concentra na relação tempo espaço. É uma espécie de inversão da proposta de Artenatureza. Lá está a mineiridade do Instituto. A natureza, a linha de trem, o rio Paraopeba e a religiosidade das guardas de Congo e Moçambique, nossas influências. Por que não pensar em forças que também o definem?

Tempo, espaço, memóriaFoto - William Gomes

Já o terceiro – e maior de todos – é um livro de fotografia. É um recorte, um quadro do que é o Inhotim é hoje visto de cima, de baixo, de dentro. Esse aspecto é o que mais me chama atenção. O centro de arte contemporânea criado por Bernardo Paz é um museu a céu aberto. Como tal, desde sua fundação, estabelece uma cumplicidade com a natureza. Isso precisa de registro constante.

Inhotim se transforma não apenas porque o acervo cresce, a arte se modifica ou novas gerações o visitam. Será sempre um novo museu porque para a natureza não há limite. As plantas crescem, a paisagem muda, a temperatura muda e consequentemente todo o estado de espírito que se encontra quando se está ali.

Sempre penso o quanto essa digitalização de nossa vida hoje, as fotos nos smartphones estão nos deixando cada vez mais reféns da fragilidade da memória. Você sabe onde estão os registros das suas últimas férias, por exemplo?

A publicação de um livro de fotografias de um espaço que tem a transformação em sua essência é, no mínimo, necessária. É o registro do que Inhotim é hoje e, daqui a poucos anos, um retrato do que foi.

Inhotim, um estado de espírito é patrocinado pela Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Ficha técnica
Autores: Allan Schwartzman, Fabio Scarano, Frederico Coelho, Humberto Werneck, Jochen Volz e Lucas Sigefredo
Dantes Editora
Páginas: 236 (volume principal), 284 (Artenatureza) e 168 (Futuromemória)
Valor: R$ 150
http://www.inhotim.org.br/

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Mostra Disruptiva tira espectador do lugar comum no CCBB-BH

Por Thiago Fonseca* Pode ser embalado a vácuo, com outra cabeça, gangorrando ou espremido. Na exposição Disruptiva, que integra a programação do FILE – Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, o público poderá experimentar sensações inimagináveis dentro de um museu. É chegada a hora do visitante se tornar protagonista, criador e até mesmo obra de arte. […]

Leia Mais

Jantar Secreto surpreende paladares mais tradicionais no VAC

Por Thiago Fonseca  Já imaginou ir a um jantar onde o cardápio é secreto e feito com alimentos que seriam descartados? Pois então, essa foi a ideia de uma das intervenções artísticas desta edição do Verão de Arte Contemporânea, realizada nesta quarta-feira, 10. Trinta convidados valorizaram uma comida sem rótulos, promovendo uma noite de experiência […]

Leia Mais

Verão Arte Contemporânea resiste graças às parcerias artísticas

Por Thiago Fonseca* Embora sejam eventos com propósitos diferentes, Verão Arte Contemporânea e da Campanha de Popularização do Teatro e da Dança coincidem em um ponto. Não foi fácil pra ninguém produzir as edições dos respectivos festivais que ocupam a programação de janeiro em BH. No caso do Verão, Ione de Medeiros chega a dizer […]

Leia Mais

Comentários