26 out 2016

Imperdível montagem do Grupo Encena encerra temporada neste domingo

 Um Interlúdio: A Morte e a Donzela termina temporada no dia 30 de outubro. Foto: Guto Muniz

Um Interlúdio: A Morte e a Donzela termina temporada no dia 30 de outubro. Foto: Guto Muniz

O encontro para um café com Wilson Oliveira é daqueles que qualquer pessoa que se interessa por teatro deveria desejar ter um dia. O tempo voa em papo que começa sobre a cena, discute a crítica, política, as novas gerações dos palcos de BH, as escolhas estéticas feitas em cada uma das 17 montagens criadas ao longo dos 32 anos de carreira com o grupo de teatro Encena.

É justo a larga carreira que me leva ao encontro do professor e diretor de teatro no Café Khalua. Assim como eu, Wilsinho (como é chamado pela classe) também não é adepto a atrasos. Se me adiantei em 30 minutos do horário combinado, lá já estava ele antes de mim.

Na pequena agenda, os apontamentos de produção. Não dá para escapar disso. O grupo Encena, fundado por ele em 1984, completou 30 anos em 2014. Na época a ideia era fazer da estreia de Um interlúdio: a morte e a donzela o marco das três décadas de atuação. Quem atrapalhou foi mecanismo de incentivo à cultura brasileiro. Sem captação, a peça não saiu no tempo desejado. Mas saiu. Ainda bem que saiu.

Em cartaz no Teatro Marília até 30 de outubro, Um interlúdio…, é inspirado na obra do chileno Ariel Dorfman. Foi levado ao cinema por Roman Polanski em 1994, com Sigourney Weaver, Ben Kingsley e Stuart Wilson nos papéis principais.  O diretor Wilson Oliveira. Crédito: Acervo pessoal

Agora é a vez de Christiane Antuña, Gustavo Werneck e Nivaldo Pedrosa. Que trio! A força desse elenco e a qualidade de cada nuance que eles levam para a cena é o aspecto que, de imediato, chama atenção na montagem. É imperdível.

Um interlúdio… fala de violência, de machismo, de ditadura, de justiça – ou falta dela – arrependimento, vingança. Ou seja, temas nada suaves. A encenação é bastante limpa o que faz com que a força se concentre nas interpretações, obviamente sustentadas pela força do que é dito.
A peça não tem qualquer mirabolância. Usa o vídeo sem exagero ou alegoria. O mesmo vale para a iluminação e o cenário, sóbrio. É teatro de nível superior a muitos forasteiros que passeiam por nossas bandas.

O primeiro espetáculo do Encena foi A Lira dos 20 anos, texto político de Paulo César Coutinho. Wilson Oliveira era bancário, egresso do curso de teatro do Centro de Formação de Artes Cênicas e também da oficina de teatro organizada por Pedro Paulo Cava. Logo nas primeiras experiências profissionais, soube que o caminho seria a direção e a educação.

Trilha esse caminho desde os anos 80. Hoje é professor do curso de artes cênicas da Universidade Federal de Ouro Preto. A rotina faz com que o olhar dele esteja sempre ligado ao que as novas gerações produzem sem perder a admiração e o respeito pelos textos transformados em clássico pela força do tempo.

Para o diretor, uma característica dos jovens atores, dramaturgos e diretores é a ânsia por falar de seu universo. “Eles tem um desejo de deixar um depoimento de vida embora sejam jovens demais”, observa. Oliveira diz que pode-se, até, discutir a dramaturgia, mas são artistas que estão escrevendo a história a partir deles. É diferente de escolher um clássico, por exemplo.

Montagem de O beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues é um marco na carreira do Encena. Crédito: Acervo Pessoal

Montagem de O beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues é um marco na carreira do Encena. Crédito: Guto Muniz

A montagem de O beijo no asfalto do Encena, texto de Nelson Rodrigues dirigido por Wilson Oliveira em 1996, é até hoje considerado um marco na história do teatro mineiro. O espetáculo tinha no elenco Yara de Novaes, Luiz Arthur, Jorge Emil e outros. Assim como em Um interlúdio: a morte e a donzela, havia por parte do elenco e direção uma grande compreensão sobre  intenções e nuances presentes no texto.

O teatro de Wilson Oliveira é realista, conectado com temas urbanos. Seja uma tragédia, uma comédia e mesmo um espetáculo infantil, o objetivo dele ao longo desses 32 anos continua o mesmo: entreter. “É a natureza da minha profissão. Acho que isso é o elogio ao ato cênico. Estamos no mundo para entreter e, se possível, fazer refletir.”

Um Interlúdio: A Morte e a Donzela
Teatro Marília. Av. Alfredo Balena, 586 – Centro – Belo Horizonte, Telefone: (31) 32774697.
Sexta e sábado 20h30, domingo 19h. Até 30/10/16. Ingressos: Inteira R$30 Meia R$15 Postos do Sinparc R$12. Duração: 90 minutos

 

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Cinco peças da Campanha que o Culturadoria viu e recomenda

Nightvodka A parceria do Grupo Armatrux com o diretor Eid Ribeiro é de longa data. Mesmo assim, eles conseguiram sair de uma zona de conforto para fazer Nightvodka. O espetáculo se inspira na literatura de Svetlana Alexijevich. É um potente flerte com a performance. Quando vi achei a primeira parte da peça um pouco arrastada, […]

Leia Mais

Política cultural chama atenção no lançamento da Campanha de Popularização 2018

As novidades anunciadas na abertura da Campanha de Popularização estão muito mais no campo da legislação cultural do que propriamente no cardápio de atrações artísticas. Em 2018 o tradicional evento da cidade vai até o dia 04 de março. A expectativa é que atraia 250 mil espectadores durante as oito semanas. O café da manhã […]

Leia Mais

“O Rei da Vela”: Antropofagia Oswaldiana revisitada

Por Márcia Mendonça O que há em comum entre a montagem da peça O Rei da Vela, de 1967, e a de hoje? Qual a atualidade do texto de Oswald de Andrade? São épocas, espaços e contextos diferentes. Cinquenta anos separam a estreia do espetáculo, na turbulenta década de 1960, na capital paulista, da remontagem de […]

Leia Mais

Comentários