07 dez 2016

Grupo Galpão será homenageado no Prêmio Shell

Foto-3

Grupo Galpão em Nós (2016). Foto: Guto Muniz

No corre-corre antes da estreia. Na hora que atores e diretor começavam a falar sobre Nós, montagem do Grupo Galpão que estreou no primeiro semestre com direção de Márcio Abreu, o clima ainda era de dúvida. Mesmo entre eles, veteranos do palco.

Quem estava imerso naquele espaço de criação parecia não ter a noção do quão ousado, diferente e importante era o espetáculo que estava por nascer.

Não é somente por causa de Nós que o Grupo Galpão receberá a homenagem na próxima edição carioca do Prêmio Shell. São 35 anos de teatro. Mas é muito bom que seja no ano de estreia dessa montagem. Ela é bastante significativa se analisarmos do ponto de vista histórico do repertório.

Assim como o Galpão fez com Cacá Carvalho em Partido (1999) e com o russo Jurij Alschit em Eclipse (2011), Nós (2016) é outro momento em que o grupo conhecido pela linguagem popular radicalizou na experimentação. É o mais potente entre eles. Talvez o Galpão, nesses 35 anos de trajetória, nunca tenha sido tão Galpão.

Márcio Abreu quebrou, com delicadeza, os lugares comuns, vícios de interpretação, falou do mundo a partir das fissuras de relacionamento do próprio grupo. Da parte da companhia, é coragem expor sua intimidade. Nós propõe um olhar sobre o coletivo a partir de atritos, inerentes à vida em sociedade.

Penso na velha máxima de Tolstoi: “fale de sua aldeia e estará falando do mundo”. O Galpão falou dele mesmo e acabou dizendo o quanto nossa vida coletiva anda violenta, sem escuta. Melhor: de maneira nada óbvia. Poderia imaginar qualquer grupo de teatro contemporâneo levando estes temas para o palco. O Galpão não.

Se Nós é um marco pra gente, que acompanha boa parte desses 35 anos, que seja tão forte também para os artistas do Galpão e inspire outras ousadias.

EM TEMPO – Além do Grupo Galpão a atriz e dramaturga mineira Grace Passô também foi indicada ao Shell pelo texto de Vaga Carne. O monólogo protagonizado por ela mesma estreou no Rio e ainda não passou por BH. E aí, Grace, quando você vem?

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Cinco peças da Campanha que o Culturadoria viu e recomenda

Nightvodka A parceria do Grupo Armatrux com o diretor Eid Ribeiro é de longa data. Mesmo assim, eles conseguiram sair de uma zona de conforto para fazer Nightvodka. O espetáculo se inspira na literatura de Svetlana Alexijevich. É um potente flerte com a performance. Quando vi achei a primeira parte da peça um pouco arrastada, […]

Leia Mais

Política cultural chama atenção no lançamento da Campanha de Popularização 2018

As novidades anunciadas na abertura da Campanha de Popularização estão muito mais no campo da legislação cultural do que propriamente no cardápio de atrações artísticas. Em 2018 o tradicional evento da cidade vai até o dia 04 de março. A expectativa é que atraia 250 mil espectadores durante as oito semanas. O café da manhã […]

Leia Mais

“O Rei da Vela”: Antropofagia Oswaldiana revisitada

Por Márcia Mendonça O que há em comum entre a montagem da peça O Rei da Vela, de 1967, e a de hoje? Qual a atualidade do texto de Oswald de Andrade? São épocas, espaços e contextos diferentes. Cinquenta anos separam a estreia do espetáculo, na turbulenta década de 1960, na capital paulista, da remontagem de […]

Leia Mais

Comentários