Quadro da mostra 'Empresta-me teus olhos?'. Crédito: Reprodução Internet
10 maio 2017

Exposição ‘Empresta-me teus olhos?’ é uma provocação à empatia

Quadro da exposição ‘Empresta-me teus olhos?’. Crédito: Reprodução Internet

Por Tainá Silveira*

A exposição “Empresta-me teus olhos?” que está no térreo do Centro Cultural Banco do Brasil de BH é uma provocação à empatia. O próprio nome diz isso. As 60 obras, expostas na parte do museu que menos chama atenção dos visitantes,  são de pacientes de Centros de Convivência da Saúde Mental da Prefeitura.

É um conjunto que nos propõe pensar os motivos que levaram cada um daqueles artistas – sim. Artistas – a internação. Também faz refletir sobre o papel da arte na recuperação e na integração das pessoas que sofrem aflições psicológicas e psiquiátricas, na sociedade.

São desenhos, pinturas, cerâmicas e uma instalação, a que mais chamou a minha atenção. Bacias de metal estão espalhadas pelo chão da entrada e, ao centro delas, espelhos com o desenho de um olho. Em toda a circunferência das bacias podemos ler, com certo esforço, frases sobre como lidamos com a própria imagem, o que ela significa e como o “reflexo da água” a distorce. São dizeres impactantes demais para passar desapercebidos como muitos que visitaram a exposição ao mesmo tempo que eu o fizeram.  

Outro destaque da mostra não tem título: é a representação de uma pessoa com o corpo todo formado por impressões digitais, e a cabeça por vários olhos.  É interessante como tomamos conclusões diferentes sobre obras artísticas quando sabemos algo sobre o artista, por menor que seja.

Sabendo que quem a fez é paciente em um Centro de Convivência de Saúde Mental, me perguntei se os olhos não representavam a sensação de perseguição, de estar sendo observado e observar o redor o tempo todo. As impressões digitais são uma das poucas coisas no mundo que nos tornam absolutamente únicos. Um corpo formado inteiramente por elas faz pensar que o corpo de cada um também reflete sua identidade.

Quadros

A exposição tem também releituras de pinturas renomados de Van Gogh e Manet, e eu particularmente me espantei com a semelhança com as originais. Ainda sobre as pinturas, destaque para “Sexo”. Em cores fortes e quentes estão dois corpos, um sobre o outro com pernas e braços que se misturam e se confundem.

Sobre as figuras, em letras garrafais lê-se “SEXO”. Para mim, foi impossível compreender as expressões faciais de ambos e, toda aquela confusão de partes do corpo e olhos esbugalhados me fizeram pensar se a obra realmente representava sexo ou uma agressão.

Apesar da pouca atenção que “Empresta-me teus olhos?” tem recebido, é interessante. Traz vários questionamentos e vontade de compreender o outro. A exposição pode ser visitada de quarta a segunda de 09h à 21h até o dia 29 de maio.  

*sob a supervisão de Carolina Braga

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Da cidade do mar à cidade do bar: conheça o Boteco da Alaíde

Cadeiras e mesas de plástico no passeio. Estufa. Cartazes com propagandas de bebidas alcóolicas, músicas tocando ao fundo, cheiro de fritura, luzes baixas. Todas as características de um boteco tradicional da grande BH. Mas algo faz com que este seja diferente dos demais: a Alaíde Carneiro. Por muito tempo, o Bar Bracarense, localizado no Leblon […]

Leia Mais

La Vera Pizza Italiana: o lugar da pizza contemporânea em BH

Por Gabriel Lacerda La Vera Ah, a Itália. Nem é preciso dizer que não existe pizza igual a de lá, né?. Toda textura, sabores, recheios, modos de preparo e temperos típicos de um dos países mais bonitos da Europa. Mas se você acha que é preciso ir ao velho continente para degustar uma autêntica, calma […]

Leia Mais

‘Construções Sensíveis’: cinco motivos para ver a nova exposição do CCBB-BH

O ponto vira linha, que vira plano e que vira geometria. É sobre a arte abstrata geométrica na América Latina a exposição ‘Construções Sensíveis’ que chega ao Centro Cultural Banco do Brasil. O conjunto, de mais de 120 obras, foi montado a partir da coleção Ella Fontanals-Cisneros pelos curadores Rodolfo de Athayde e Ania Rodríguez. […]

Leia Mais