15 jul 2017

Região de Venda Nova ganha teatro com programação popular permanente

Foyer do Estação Cultural. Crédito: Thiago Fonseca

Por Thiago Fonseca*

A região de Venda Nova sempre foi muito carente de equipamentos culturais. Quando os espetáculos da Campanha de Popularização do Teatro e da Dança começaram a chegar lá em um espaço improvisado, o público respondeu. Sinal de que a demanda para as artes cênicas existia na região.

Em 2014, 20.324 pessoas assistiram a espetáculos no espaço improvisado. Em 2015, 21.591. Já em 2016, em um espaço provisório mais adequado, foi sucesso de público com 50.592 participantes. “Tamanho público e atendendo pedidos resolvemos montar nosso teatro fixo com apresentações múltiplas durante todo o ano”, diz Thâmara Zaia, gerente de Marketing do Estação.

Foi inaugurado este fim de semana o palco com a devida estrutura teatral e capacidade para 410 pessoas. O Estação Cultural, como será chamado, está pronto para receber montagens de diversos gêneros e tem planos de virar uma escola de teatro.

Essa é mais uma das ambições da administração do Shopping que pretende transformar o Estação em um ambiente múltiplo em que as pessoas possam “resolver a vida” de uma só vez. A localização do empreendimento é favorável a novos negócios. Segundo levantamento da PBH, a região norte cresce 8,2% enquanto a média das outras regiões varia em 2,7%/ano. A localização também é agraciada por ser encontro de meios de transporte como o metrô e ônibus.  Além disso, a região é carente de espaços culturais e de entretenimento artístico. Fatores aliados que podem garantir sucesso ao novo teatro.

A ideia é promover eventos culturais durante todo o ano a preços populares. Este é o primeiro teatro dentro de um shopping em Belo Horizonte e único da região norte. A montagem carioca “Cinco homens e um segredo” foi a convidada para a abertura dos trabalhos teatrais. A exposição inaugural é  “Zacaricato” do curador Demétrius Cotta, sobre o Trapalhão Zacarias. Há também um painel interativo de arte urbana, assinado pelos artistas Ataíde Miranda e Ramar Gama.

Continua após a publicidade

 

ESTRUTURA

Diferentemente dos três anos anteriores, quando as peças ocupavam um canto improvisado, itinerante, com cadeiras móveis e revestido de malha, o novo teatro esta digno. O Estação Cultural tem área total de mil metros quadrados e custou R$ 578 mil reais. O humorista Thiago Comédia é o responsável pela curadoria artística do espaço.

Paredes de drywall, cadeiras ergonômicas e acessíveis, desnível entre a plateia e o palco, ambiente climatizado e acústico, palco com iluminação técnica e coxia, camarim que atende às demandas. Apesar do grande avanço em relação à estrutura do passado, o Estação Cultural tem um palco pequeno e com um perigoso vão no fundo. Os artistas precisarão ter cuidado ao transitar no escuro.

As 400 cadeiras são dispostas em três longas fileiras. A visibilidade de quem está atrás não é das melhores. Quem precisar ir ao banheiro durante as apresentações também passará aperto: o toalete mais próximo fica na Praça de Alimentação do Shopping.

Cena da peça “Cinco homens e um segredo”. Créditos: Thiago Fonseca

ESTREIA

“Cinco homens e um segredo”, com os atores Edwin Luisi, Roberto Pirillo, Carlos Bonow, Cláudio Andrade e Iran Malfitano inaugurou o palco do Estação Cultural nessa sexta-feira, dia 14.

A montagem narra com humor o drama de cinco homens que tem um problema em comum e se reúnem em uma igreja para discutir a situação. As reuniões são conduzidas por um padre e tem três frequentadores assíduos. Uma noite, porém, eis que surge um novo integrante. À medida que esses homens se abrem, segredos são revelados. Vêm à tona questões sobre identidade, masculinidade, sexo, relacionamentos e status social, em uma jornada que pode redefinir suas vidas.

A encenação confirmou boa estrutura cênica do local. O que gerou comentários positivos dos convidados. A próxima atração do Estação Cultural é Festival Expo-Riso, com uma programação para toda a família com preços populares. Entre os dias 15 de julho e 13 de agosto 19 peças se revezarão no palco do teatro. O humor foi escolhido para dar início as atividades por causa do sucesso do gênero com o público do local.

*Sob a supervisão de Carolina Braga

Continua após a publicidade

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Cinco peças da Campanha que o Culturadoria viu e recomenda

Nightvodka A parceria do Grupo Armatrux com o diretor Eid Ribeiro é de longa data. Mesmo assim, eles conseguiram sair de uma zona de conforto para fazer Nightvodka. O espetáculo se inspira na literatura de Svetlana Alexijevich. É um potente flerte com a performance. Quando vi achei a primeira parte da peça um pouco arrastada, […]

Leia Mais

Política cultural chama atenção no lançamento da Campanha de Popularização 2018

As novidades anunciadas na abertura da Campanha de Popularização estão muito mais no campo da legislação cultural do que propriamente no cardápio de atrações artísticas. Em 2018 o tradicional evento da cidade vai até o dia 04 de março. A expectativa é que atraia 250 mil espectadores durante as oito semanas. O café da manhã […]

Leia Mais

“O Rei da Vela”: Antropofagia Oswaldiana revisitada

Por Márcia Mendonça O que há em comum entre a montagem da peça O Rei da Vela, de 1967, e a de hoje? Qual a atualidade do texto de Oswald de Andrade? São épocas, espaços e contextos diferentes. Cinquenta anos separam a estreia do espetáculo, na turbulenta década de 1960, na capital paulista, da remontagem de […]

Leia Mais