Cena do documentário 'Por um triz', sobre os bastidores de criação do Grupo Corpo. Foto: Camisa Listrada/Divulgação
27 mar 2017

Documentário inédito revela processo de criação do Grupo Corpo em ‘Triz’

Cena do documentário ‘Por um triz’, sobre os bastidores de criação do Grupo Corpo. Foto: Camisa Listrada/Divulgação

Podem até existir processos criativos que sejam mais tranquilos. Árduos sempre serão. É essa a impressão que fica depois de ver o documentário Por um triz, dirigido por Eduardo Zunza e produzido pela Camisa Listrada. O filme, que estreia nesta terça (28) no canal Curta! às 21h30, acompanha os meses finais de criação da coreografia Triz, balé que o Grupo Corpo estreou em 2013 no Palácio das Artes.

É um avesso inédito na história de 40 anos da companhia mineira. É um lado sem glamour, muito suor e também uma obra necessária para a desmitificação dessa arte. Não tem mágica não. Dá trabalho, exige dedicação, persistência, perseverança, estudo, companheirismo e muita paixão.

Triz não foi uma montagem simples para o Corpo. O coreógrafo Rodrigo Pederneiras foi diagnosticado com um sério problema no tendão do ombro (com direito a recuperação de uma cirurgia) seis meses antes da estreia, marcada para agosto de 2013. Para complicar o quadro, em maio daquele ano o coreógrafo rompeu o menisco do joelho.

A ideia da filmagem partiu, então, de uma necessidade. Para que Rodrigo acompanhasse os primeiros ensaios, as bailarinas Jaqueline Gimenez e Carolina Amares registraram movimentações com as próprias câmeras. Por que não fazer um filme com isso?

Mas o problema de Rodrigo Pederneiras é apenas o ponto de partida para o documentário. No fundo, o longa é o registro de um processo. Repito: é um avesso inédito do Grupo Corpo que dá a dimensão do quão complexo é aquilo que eles criam anualmente.

A estrutura do documentário aposta bastante na voz em off. Se por um lado coloca o esforço dos bailarinos em primeiro plano – já que a maior parte do filme tem imagens de ensaios – isso acaba camuflando a experiência individual de quem fala. Quando não são os diretores que estão falando (eles sempre aparecem), grande parte dos testemunhos em off compõe um mosaico de vivência.

Embora o resultado seja do conjunto, senti falta de conhecer mais sobre os percursos individuais daqueles que compõe o coletivo.

https://www.youtube.com/watch?v=PALlOyX0X9I&feature=youtu.be

FÁBRICA

Criar um espetáculo de dança é como colocar uma fábrica para funcionar. Enquanto Rodrigo Pederneiras e os bailarinos trabalham para descobrir como traduzir a música de Lenine em movimento, Paulo Pederneiras quebra cabeça com o cenário, discute figurino com Freuza Zechmeister, pensa na luz, no nome, conversa com Pedro Pederneiras sobre a estrutura técnica e por aí vai. Isso sem dizer na dificuldade de batizar a obra.

Todos tem voz. Mas as que mais me surpreenderam foram as dos bailarinos. Talvez por isso queria uma identificação mais clara sobre quem diz o quê. Acompanhar os ensaios e ouvi-los dá a dimensão do quanto a “invenção” dos Pederneiras não é simples. Nunca foi. São 40 anos de desenvolvimento de uma linguagem corporal, muito particular, conhecida, consagrada mas que, pelo que o filme revela, procura novos caminhos. O grau de dificuldade não importa.

Vale o desafio. Independentemente do tamanho.

Por um triz estreia na grade de programação do canal Curta! (nos canais 56 da NET, 132 na GVT, 76 na Oi TV, 664 na Vivo TV e 69 na Claro TV).

FICHA TÉCNICA: POR UM TRIZ

Longa / Documentário / 90 minutos
Ideia original: Carolina Amares e Jacqueline Gimenez
Direção e Roteiro: Eduardo Zunza
Produção: André Carreira e Júlia Nogueira
Produção Executiva: Júlia Nogueira
Direção de Fotografia: Gustavo Pains
Montagem: Joana Rennó
Trilha Sonora: Lenine
Produção e Realização: Camisa Listrada
Coprodução: Quarteto Filmes
Correalização: Grupo Corpo

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Desobediência: o peso da crença na busca pela liberdade

Sempre gostei de explorar a primeira ideia que vem à mente assim que um filme termina. O que bate de imediato é a mensagem que geralmente fica. Pois saí da sessão de Desobediência pensando no quanto, mesmo no século XXI, o ser humano ainda se deixa controlar por crenças, simbologias. Já foram muitas conquistas de […]

Leia Mais

CineOP 2018 a valorização de atividades de formação e da cena local

O investimento em atividades de formação para o crescimento da indústria audiovisual e a valorização da cena local são os pilares mais fortes da CineOP 2018. Essa é a percepção que fica após seis dias de Mostra, que ocupou Ouro Preto entre 13 e 18 de junho. É dessa forma, que se diferencia dos demais. Nesta […]

Leia Mais

Documentários sobre Bethânia e Adoniran são ovacionados na CineOP

A CineOP é uma Mostra voltada para o cinema como patrimônio e faz um resgate histórico sobre o tema de cada edição. Assim, a maioria dos filmes em exibição não são inéditos. Mas há alguns. As pré-estreias destacadas nesta edição foram  ‘Fevereiros’, de Marcio Debellian, e ‘Adoniran – Meu nome é João Rubinato’, de Pedro Serrano. […]

Leia Mais

Comentários