13 fev 2017

Dicas de peças para conferir na reta final da Campanha de Popularização

A Campanha de Popularização do Teatro e da Dança chega à sua reta final ainda com a agenda bem cheia de opções. Para quem deixou para escolher na última hora, confira dicas de algumas peças que eu apostaria uma ida no último fim de semana do evento.

Danação. De quinta a domingo, 20h. CCBB-BH. R$ 10. Crédito: Marcelo Castro

Danação. De quinta a domingo, 20h. CCBB-BH. R$ 10

O que é mais bonito em Danação é o encontro de gerações que dá origem à peça. Há também uma curiosa inversão. Eduardo Moreira, consagrado ator do Grupo Galpão, é quem está em cena. Na direção, Marcelo Castro, integrante do Grupo Espanca! e Mariana Maioline. O texto – muito poético – é de Raysner de Paula. Os três – Marcelo, Mariana e Raysner – são de uma geração formada pelo Galpão. Juntos criam um trabalho muito narrativo, que desafia o jogo e as convenções teatrais, na entrega de uma história cheia de delicadezas.

SER – Experimento para tempos sombrios. De quinta a domingo, 20h na Funarte MG. R$ 10. Credito: Felipe Chimicatti

SER – Experimento para tempos sombrios. De quinta a domingo, 20h na Funarte MG. R$ 10

Essa eu quero ver desde que a programação foi divulgada. O ator Rafael Lucas encena texto de David Maurity. Para quem não conhece, os dois fazem parte da Toda Deseo, coletivo de artistas performáticos que tem apresentados alguns dos trabalhos mais interessantes dos últimos dois anos. Para citar um, a montagem de rua Nossa Senhora do Horto. O desafio do momento é buscar a “narrativa como lugar de resistência, insurgência e crítica”. Mesmo que você não entenda a sinopse, se deixe provocar.

Cassino da Kayete. Sábado, 19h. Teatro Alterosa. R$ 15. Crédito: Divulgação

Cassino da Kayete. Sábado, 19h. Teatro Alterosa. R$ 15

Quem busca comédia pode apostar sem medo na Kayete. Esta montagem, em especial, é uma adaptação do programa que a atriz faz na rádio. A versão para o palco tem convidados e a promessa de ser uma peça cheia de surpresas. Como Kayete domina muito bem a arte do improviso, tem humor nato, se você gosta de rir, vale apostar. Mesmo não sendo meu gênero favorito e nem o estilo de teatro que me atraia Kayete tem meu respeito.

Cheiro de manga. Sexta e sábado, 20h e domingo, 19h. Teatro Raul Belém Machado. R$ 5. Crédito: Divulgação

Cheiro de manga. Sexta e sábado, 20h e domingo, 19h. Teatro Raul Belém Machado. R$ 5

Cheiro de manga é o primeiro trabalho solo da atriz Laura de Castro. O material de divulgação diz que é um convite ao público por experimentar outros sentidos diante do teatro. É oportunidade também para conhecer o Teatro Raul Belém Machado, inaugurado no ano passado no bairro Alípio de Melo.

Em verdade vos digo. Quarta e quinta, 20h. Sesc Palladium. Crédito: Divulgação

Em verdade vos digo. Quarta e quinta, 20h. Sesc Palladium

Não é uma estreia na campanha mas é sinal de resistência. Em verdade vos digo é uma montagem do grupo In-Cena, de Teófilo Otoni. Tem texto de Anderson Feliciano e André Luiz Dias, que também é o diretor. Montagem começou a circular em 2013, quando se apresentou no Encuentro Internacional de Teatro: Achupallas em Viña del Mar (Chile), e desde então não parou. É uma trupe guerreira!

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Cinco peças da Campanha que o Culturadoria viu e recomenda

Nightvodka A parceria do Grupo Armatrux com o diretor Eid Ribeiro é de longa data. Mesmo assim, eles conseguiram sair de uma zona de conforto para fazer Nightvodka. O espetáculo se inspira na literatura de Svetlana Alexijevich. É um potente flerte com a performance. Quando vi achei a primeira parte da peça um pouco arrastada, […]

Leia Mais

Política cultural chama atenção no lançamento da Campanha de Popularização 2018

As novidades anunciadas na abertura da Campanha de Popularização estão muito mais no campo da legislação cultural do que propriamente no cardápio de atrações artísticas. Em 2018 o tradicional evento da cidade vai até o dia 04 de março. A expectativa é que atraia 250 mil espectadores durante as oito semanas. O café da manhã […]

Leia Mais

“O Rei da Vela”: Antropofagia Oswaldiana revisitada

Por Márcia Mendonça O que há em comum entre a montagem da peça O Rei da Vela, de 1967, e a de hoje? Qual a atualidade do texto de Oswald de Andrade? São épocas, espaços e contextos diferentes. Cinquenta anos separam a estreia do espetáculo, na turbulenta década de 1960, na capital paulista, da remontagem de […]

Leia Mais

Comentários