10 maio 2017

‘Gritos’ é a emocionante combinação entre técnica, estética e força poética

A dupla André Curti e Arthur Luanda Ribeiro desenvolve trabalho em teatro gestual. Crédito: Renato Mangolin

Quem fica no pátio interno do CCBB-BH e arrisca olhar o semblante de quem sai da sessão de Gritos, da Cia Dos à Deux, em cartaz por lá até 12 de junho, deve se assustar com a tristeza. É uma jornada que não passa de uma hora. Pouquíssimas palavras são ditas durante esse tempo. Mas o silêncio que se dá depois da peça diz muito. É a tradução de uma sensação de sufocamento.

Se para quem faz, Gritos parece ser uma experiência radical em termos de técnicas teatrais, é desafio semelhante para quem vê. É para decifrar ou sentir? Essa dualidade existe? Entender ou se deixar levar? Cada um faz o que dá conta. Deixando os aspectos emocionais de lado, não há como ignorar a presença de um trabalho teatral de excelência técnica e estética.

A peça é a 11ª montagem da Cia Dos à Deux, formada pelos brasileiros André Curti e Artur Luanda Ribeiro e radicada em Paris desde 1997 e também no Rio de Janeiro. Para a nossa felicidade, praticamente todas as montagens estiveram em cartaz em BH. O Festival Internacional de Teatro Palco e Rua, o Fit-BH, fez a revelação da dupla com Aux Pieds de la lettre em 2001. Depois disso já vimos Saudade em Terras d’água (2005), Fragmentos do desejo (2009), Ausência (2012) e Irmãos de sangue (2013).

Por que lembrar a trajetória é importante? Porque Gritos (2017) é demonstração de que arte se faz com inquietação, investigação, perseverança e técnica. No caso de André e Artur, muita técnica sustentada por um olhar para o mundo de hoje que é, ao mesmo tempo, político e poético.

Os temas urgentes de Gritos

Amor, diferença e exclusão são temas que perpassam o repertório da Dos à Deux.  No espetáculo em questão viraram gritos urgentes contra a crescente intolerância do mundo. E pior que ela existe em várias frentes. O que é muito curioso já que se trata de um espaço em que a fala não é protagonista. Os sentidos vem do gesto, da força das expressões e da combinação de elementos que são bastante caros à composição linguagem teatral: a luz, o cenário e a ambientação sonora.

André Curti e Arthur Luanda Ribeiro são responsáveis pela concepção, dramaturgia, cenografia e direção. Ou seja, praticamente tudo. Em meio a uma instalação formada por estruturas de colchões de mola (uma metáfora sobre muros inócuos, paredes e outras separações que o homem insiste em erguer) eles contam histórias de três pessoas. O que elas têm em comum é a vontade de continuar: ser quem se deseja, a pensar com a própria cabeça e a simplesmente poder viver.

Tramas

Louise é uma transexual que cuida de uma idosa. Em meio às rejeições cotidianas é resiliente na busca por si mesma. A segunda parte da montagem conta o drama de um homem que literalmente perde a cabeça ou, como descreve o programa da peça, “aquilo que nos torna o quem somos”. Quase uma coreografia dramática, a cena revela o embate travado entre a razão e a emoção. Por fim, encontramos a guerra. A trama de Kalsun faz pensar no amor – em quantidade e qualidade – possível em um cenário de destruição e busca por sobrevivência.

Em tempo: como os temas não são apresentados de maneira óbvia, estas nada mais são do que interpretações daquilo que vi. O que não resta dúvida é sobre a qualidade estética da nova criação da Dos à Deux.

Há uma impressionante simbiose entre atores e bonecos. Em certo momento da peça, já não se distingue mais as fronteiras daquilo que é humano ou não. As imagens vão se transformando na cabeça da gente. Se no início vê-se um boneco, logo depois vê-se uma mulher em processo até se conhecer Luísa, inteira. Eis aqui um sinal claro da cumplicidade alcançada no jogo teatral.

[O QUE] “Gritos, Cia Dos à Deux” [QUANDO] Até 12 de junho, 20h [ONDE] CCBB BH raça da Liberdade, 450, Funcionários, BH, (31) 3431.9400) [QUANTO] R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia) [COMPRE AQUI]




Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Cinco peças da Campanha que o Culturadoria viu e recomenda

Nightvodka A parceria do Grupo Armatrux com o diretor Eid Ribeiro é de longa data. Mesmo assim, eles conseguiram sair de uma zona de conforto para fazer Nightvodka. O espetáculo se inspira na literatura de Svetlana Alexijevich. É um potente flerte com a performance. Quando vi achei a primeira parte da peça um pouco arrastada, […]

Leia Mais

Política cultural chama atenção no lançamento da Campanha de Popularização 2018

As novidades anunciadas na abertura da Campanha de Popularização estão muito mais no campo da legislação cultural do que propriamente no cardápio de atrações artísticas. Em 2018 o tradicional evento da cidade vai até o dia 04 de março. A expectativa é que atraia 250 mil espectadores durante as oito semanas. O café da manhã […]

Leia Mais

“O Rei da Vela”: Antropofagia Oswaldiana revisitada

Por Márcia Mendonça O que há em comum entre a montagem da peça O Rei da Vela, de 1967, e a de hoje? Qual a atualidade do texto de Oswald de Andrade? São épocas, espaços e contextos diferentes. Cinquenta anos separam a estreia do espetáculo, na turbulenta década de 1960, na capital paulista, da remontagem de […]

Leia Mais