31 jan 2017

[Ponto de vista] ´Fauna´: teatro provocativo no melhor sentido

Marcos Coletta e Assis Benevenuto em 'Fauna'. Crédito: Guto Muniz/Divulgação

Marcos Coletta e Assis Benevenuto em ‘Fauna’. Crédito: Guto Muniz/Divulgação

Foi um susto quando ainda no corredor do Teatro Wanda Fernandes do Galpão Cine Horto o ator e diretor Ítalo Laureano lembrou que o Grupo Quatroloscinco – Teatro do Comum inicia agora as comemorações de seus dez anos de carreira. Fauna, o espetáculo mais recente do repertório abre a série de atividades que inclui a volta ao cartaz dos seis espetáculos que a companhia mantém em repertório.

Logo após o recado, gentilmente, ele pede que todos tirem os sapatos e coloquem em duas caixas pretas ao lado do palco. Assim, metaforicamente tirando o chão do espectador, o Quatroloscinco inicia a montagem que considero mais interessante de todas as que vi de sua trajetória. Desde É só uma formalidade (2007) vi ao todo quatro peças. Fauna é a preferida.

O fato de entrar sem sapato no palco desconcerta.  Ao mesmo tempo em que gera insegurança (desconfiança?), chama o espectador ativamente para o jogo. Essa relação é imprescindível para o desenvolvimento da montagem. O negócio é chamar atenção mesmo, não para o sapato (ou sua falta), mas para o que você quer da vida, como leva a vida, o que vale nessa vida. Será que alguma espécie humana já foi extinta? Alguma coisa está se rompendo.

Para fazer reflexões filosóficas deste tipo é preciso estar desarmado. Como não valorizar os pés descalços?

‘Fauna’ propõe um olhar sagaz sobre a espécie humana. Crédito: Guto Muniz/Divulgação

‘Fauna’ propõe um olhar sagaz sobre a espécie humana. Crédito: Guto Muniz/Divulgação

Sem formalidades

Além de atuar, Assis Benevenuto e Marcos Coletta assinam a dramaturgia. Ítalo Laureano os dirige com a assistência de Rejane Faria. Fauna não tem uma historinha com início, meio e fim. Foi uma escolha bem justificada no programa do espetáculo: “preferimos não contar uma história, mas, como uma espécie de arqueólogos, encontrar vestígios”.

Os artistas sabem muito bem de onde partem, onde querem chegar e para que lugar pretendem levar os espectadores que se entregarem à proposta. A partir de uma situação de fim de mundo o que você faria? A pergunta é a primeira da série de provocações que a sucedem. Sobre o que foi e o que é viver em sociedade. Sobre o valor que damos para coisas e o quanto transformamos – inclusive historicamente – gente em coisa.

Fauna é costurado a partir de tensionamentos. Ao longo de 60 minutos (pode ser um pouco mais ou menos dependendo das participações) o texto, o uso do espaço, a presença das pessoas, a iluminação, o som, os objetos conseguem amalgamar considerações sobre a espécie humana e sua natureza. Tão comuns quanto necessárias.

[O QUE] Fauna com Grupo Quatroloscinco – Teatro do Comum

[QUANDO] Qui a sáb, 20h. Dom, 19h. Até 05 fev.

[ONDE] Galpão Cine Horto (Rua Pitangui, 3613, Horto, 31 3481-5580)

[QUANTO] R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

Para acompanhar as comemorações dos 10 anos do Quatroloscinco acompanhe as novidades pelo site deles

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Cinco peças da Campanha que o Culturadoria viu e recomenda

Nightvodka A parceria do Grupo Armatrux com o diretor Eid Ribeiro é de longa data. Mesmo assim, eles conseguiram sair de uma zona de conforto para fazer Nightvodka. O espetáculo se inspira na literatura de Svetlana Alexijevich. É um potente flerte com a performance. Quando vi achei a primeira parte da peça um pouco arrastada, […]

Leia Mais

Política cultural chama atenção no lançamento da Campanha de Popularização 2018

As novidades anunciadas na abertura da Campanha de Popularização estão muito mais no campo da legislação cultural do que propriamente no cardápio de atrações artísticas. Em 2018 o tradicional evento da cidade vai até o dia 04 de março. A expectativa é que atraia 250 mil espectadores durante as oito semanas. O café da manhã […]

Leia Mais

“O Rei da Vela”: Antropofagia Oswaldiana revisitada

Por Márcia Mendonça O que há em comum entre a montagem da peça O Rei da Vela, de 1967, e a de hoje? Qual a atualidade do texto de Oswald de Andrade? São épocas, espaços e contextos diferentes. Cinquenta anos separam a estreia do espetáculo, na turbulenta década de 1960, na capital paulista, da remontagem de […]

Leia Mais

Comentários