11 jan 2017

‘Eu, Daniel Blake’: um retrato do mundo que deu errado

i-daniel-blake-backdrop

Vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes o filme Eu, Daniel Blake me deixou profundamente incomodada ao longo dos 100 minutos de projeção. Não porque seja ruim. É o contrário. O filme é muito muito bom. O diretor Ken Loach joga tanta verdade naquela tela que é inevitável não sentir alguma coisa. Arte serve pra isso.

Bom, vamos ao básico: a sinopse. Daniel Blake é um senhor de idade que sofreu um ataque cardíaco e por isso está impedido de trabalhar. Para garantir o próprio sustento ele precisa do auxílio saúde dado a quem está em situação semelhante na Inglaterra. Veja bem, o filme se passa na INGLATERRA. Não é Brasil, África, ou qualquer país pobre. O problema é no planeta.

A burocracia para conseguir o benefício é tanta que sufoca Dan, me sufoca. Ken Loach não tem pressa em construir o contexto no qual o personagem está inserido. Vive sozinho, tem uma relação paternal com o vizinho, pobre e imigrante. , é carpinteiro por isso habilidoso com as mãos. Sabe consertar uma porta mas não tem condições de preencher um formulário on-line. Gente, ninguém tem obrigação de saber informática não. Exigir isso é segregar, é sim ser cruel.

Com esse contraste Loach – cineasta de posições de esquerda notórias – mostra como o sistema em que vivemos é falido ou pelo menos está em total colapso. Como pode faltar tanto bom senso? Como as pessoas estão perdendo mesmo a empatia, o olhar para o outro? Perdemos a humanidade.

Daniel Blake tem o cuidado com o outro como essência e como princípio. Fica claro na relação que ele estabelece com a Katie, mãe solteira com dois filhos que assim como Dan, precisa e não consegue a ajuda do governo.

i-daniel-blakeO protagonista de Eu, Daniel Blake é o ator britânico Dave Johns que, curiosamente, construiu carreira fazendo stand up. É comédia! Quem sabe lidar com humor na arte consegue fazer qualquer coisa com seriedade. Geralmente emociona. Ele praticamente sola no filme, merecia uma indicação em qualquer um desses prêmios internacionais.

As contracenas mais intensas são com Hayley Squires, que faz o que se espera de um grande ator/atriz em papel coadjuvante, apoia, dá suporte às emoções daquela história sem ser uma mosca morta.

O mais triste em Eu, Daniel Blake é a certeza de que por mais que seja uma ficção, o diretor Ken Loach está falando de uma realidade muito próxima de qualquer pessoa. Independentemente da classe social, do país. Repito: vivemos em um mundo em que a humanidade está por um fio. Há de existir um outro sistema que dê conta de nosso tempo. É urgente!

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

‘Eu, Tonya’:  drama familiar mais pesado que uma biografia esportiva

Eu, Tonya começa como se fosse um documentário. Apesar de se basear em fatos reais, é um longa de ficção que comete pequenas ousadias na forma como conta a história da patinadora Tonya Harding. Além dos falsos depoimentos, em alguns momentos da narrativa, no meio da cena, os personagens se distanciam da ficção e fazem […]

Leia Mais

‘The Post: a guerra secreta’: as impressões decantadas sobre o belo encontro entre Meryl, Hanks e Spielberg

Eu sou suspeita para escrever qualquer coisa sobre filmes que tem o jornalismo como protagonista. A paixão pela profissão me faz sair emocionada na maioria das experiências que tive com o gênero. Com The Post: A Guerra Secreta não foi diferente. Sabe aquela coisa de achar maravilhosa toda cena que tem rotativa, o ritual do […]

Leia Mais

‘Três anúncios para um crime’: o violento preço da passionalidade

Três anúncios para um crime faz pensar sobre impunidade. Sobre a raiva também. É um filme forte. O mais tenso entre os nove indicados ao Oscar em 2018. Mais até do que os de guerra. Em reconstituições de época – como Dunkirk e O destino de uma nação, por exemplo – somos “protegidos” pelo distanciamento […]

Leia Mais

Comentários