02 fev 2017

‘Estrelas além do tempo’: sobre resistência e inteligência nos bastidores da corrida do homem à Lua

Estrelas além do tempo recebeu três indicações ao Oscar. Melhor filme, roteiro e atriz coadjuvante para Octavia Spencer. De fato ela rouba a cena quando aparece, mas o destaque mesmo é Taraji P. Henson, ou melhor, sua personagem Katherine G. Johnson.

Quem foi ela? A matemática, negra, viúva, que nos anos 1960, foi a responsável por calcular a trajetória da viagem que fez o primeiro americano chegar ao espaço.

Por mais que a sinopse de Estrelas além do tempo diga que se trata da história de três mulheres negras americanas que participaram do então ambicioso projeto da Nasa, é em torno dela que gira maior parte da trama. Fiquei querendo saber mais das outras.

O roteiro baseado no livro de Margot Lee Shetterly dedica pouco espaço para conhecermos as habilidades de Dorothy Vaughan (Octavia Spencer) em descobrir como os computadores da época poderiam ajudar a missão. Falta também mais espaço para a luta de Mary Jackson (Janelle Monáe) para se tornar a primeira engenheira negra do estado.

Estrelas além do tempo não deveria ser um filme de uma protagonista. Inclusive, o longa produzido pelo cantor Pharrell Williams conquistou o prêmio de melhor elenco no SAG Awards.

De toda forma é uma produção oportuna para 2017. Estreia um ano depois da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood ter reconhecido que o Oscar é mesmo uma festa branca e isso teria que mudar. É um começo.

Estrelas além do tempo não diz só sobre a questão da raça. Tem também a perseverança feminina em conquistar seus espaços. Inteligência emocional não faltou à essas três. Há discrição na luta. As vitórias são fruto de competência e merecimento.

As atrizes Octavia Spencer, Taraji P. Henson e Janelle Monáe em 'Estrelas além do tempo'. Crédito: Fox Films

As atrizes Octavia Spencer, Taraji P. Henson e Janelle Monáe em ‘Estrelas além do tempo’. Crédito: Fox Films

Segregação e feminismo

É um filme leve que deixa muitas marcas. A segregação racial e a diferença de gênero são as mais gritantes. Tudo “rodado” de maneira sutil e até com humor. Por exemplo, naquela época negros e brancos não podiam usar a mesma biblioteca, o banco no ônibus ou até o banheiro. Isso significou um drama para Katherine quando foi transferida para o departamento da missão espacial. Precisava andar cerca de 1km para fazer um xixi. As corridinhas dela para os momentos de necessidade fisiológica misturam graça e crítica.

Como se trata das décadas de 1950 e 1960, a reconstrução histórica se dá principalmente no figurino e na direção de arte. Nada que contraste ou se sobreponha à trama. A presença dos quadros negros onde eles faziam as contas chama atenção para o peso – e importância – das habilidades e competências pessoais. No caso, das mulheres que fizeram diferença na história.

Inclusive, outro momento chave para lacrar o empoderamento, é a luta de Mary Jackson (Janelle Monáe) para entrar na faculdade de engenharia. “Planejo ser uma engenheira na NASA. Mas não conseguirei sem estudar naquela faculdade de brancos. E não posso mudar a cor da minha pele. Então, não tenho escolha, exceto ser a primeira”.

Além de Octavia Spencer e Janelle Monáe, Kevin Costner é outro que manda bem como o exigente Al Harrison, o chefe de Katherine G. Johnson. Um homem aparentemente rude mas que demonstra ter sensibilidade e bom senso no comando da equipe. Sem drama e com muita objetividade.

O roteiro de Estrelas além do tempo é cheio de frases potentes. Uma delas é: “Não se solicita liberdade. Liberdade nunca é dada aos oprimidos. Precisa ser conquistada, tomada”. A síntese do exemplo que Katherine, Dorothy e Mary deixaram para a história.

Saiba onde o filme está em cartaz em Belo Horizonte

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

“Um Lugar Silencioso”: quando a seleção natural elimina os escandalosos

Se já chegou tarde em casa e teve que andar na ponta dos pés para não acordar todo mundo, você conhece este sentimento. Uma tentativa de evitar qualquer produção de ruído, como se sua vida dependesse disso. No caso dos personagens de “Um Lugar Silencioso”, novo filme de John Krasinski, realmente depende. Além de dirigir, […]

Leia Mais

Mostra Internacional de Cinema em BH dá visibilidade a representatividade LGBT

A transfobia, a vivência lésbica e o diálogo da religião com os LGBTs são alguns dos temas dos filmes que irão ocupar o Cine Humberto Mauro na 2ª Mostra Internacional de Cinema em Cores. Criado para dar mais visibilidade à população LGBT, o evento exibirá 19 produções audiovisuais entre os dias 6 e 10 de […]

Leia Mais

The Railrodder com trilha executada ao vivo encerra Mostra Buster Keaton

Foram 28 dias que Cine Humberto Mauro dedicou a Buster Keaton. Ele foi escolhido para marcar o início das comemorações dos 40 anos da sala. “Buster Keaton, o acrobata do Riso” exibiu mais de 50 filmes, com sessões diárias. O encerramento do evento foi épico: “The Railrodder”, no Grande Teatro do Palácio das Artes com […]

Leia Mais

Comentários