06 jan 2017

A moral e suas dores no filme iraniano ‘O apartamento’

Os atores Taraneh Alidoosti e Shahab Hosseini em 'O apartamento'. Crédito: Pandora Filmes/Divulgação.

Os atores Taraneh Alidoosti e Shahab Hosseini em ‘O apartamento’. Crédito: Pandora Filmes/Divulgação.

Nem sempre um desmoronamento é algo físico. É um sentido mais alargado do termo que o cineasta iraniano Asghar Farhadi persegue em O apartamento (2016). O longa sucede os incensados A separação (2011), que rendeu ao diretor uma indicação ao Oscar de melhor filme em língua estrangeira e O passado (2013).

Na primeira sequencia de O apartamento um prédio ameaça desabar por causa de escavações – provavelmente irregulares – no terreno vizinho. Asghar Farhadi filma a correria pela sobrevivência com objetividade e maestria.

O foco está na história que pretende construir. Ou seria o homem que pretende desconstruir? Ali interessa contar como protagonista era um cidadão de bem, porém passível de rachaduras.

O ator e professor Emad Etesami (papel do ótimo e contido Shahab Hosseini que também fez A separação com o diretor) é solidário, capaz de colocar a própria vida em risco para salvar o outro. Mas o trincar de paredes e janelas acaba gerando também fendas inesperadas na vida dele.

Emad e a mulher Rama (Taraneh Alidoosti), que também é atriz e assim como o marido faz parte do elenco da montagem de A morte do caixeiro viajante, clássico de Arthur Miller, são obrigados procurar outra morada. Aceitam a ajuda de um colega de elenco sem saber o que o passado do imóvel afetaria tanto o presente deles.

Rama é atacada dentro de casa. Em geral, o subentendido tem mais força.

Asghar Farhadi não precisou mostrar o ato de violência e nem mesmo detalhar a agressão para trazer ao filme discussão sobre machismo, sobre o que representa em uma sociedade baseada em valores religiosos rígidos e o que bastaria para ferir a moral de um homem iraniano que convive com a revolução Islâmica.

Mesmo focando em um personagem, Asghar Farhadi constrói uma narrativa em camadas que prende a atenção do espectador, em especial os 30 minutos finais.

A relação entre a jornada de Emad e Willy, o Caixeiro Viajante na peça de Arthur Miller tem paralelos. Os dois convivem com dramas que unem passado e presente trazendo à tona conflitos sociais e familiares capazes de destruí-los pouco a pouco.

Os silêncios são longos e dizem muito em O apartamento. A partir do momento em que o conflito é dado, o não dizer demonstra uma dificuldade – até mesmo cultural – em lidar com temas de ordem íntima.

Asghar Farhadi explora o vazio de diversas formas. O não ter onde morar, não ter o que falar e não saber como agir. São esses outros desmoronamentos, talvez os de alma, que fazem de O apartamento um filme instigante, profundo e atual.

Em tempo: O apartamento concorre ao Globo de Ouro de Melhor Filme em língua estrangeira e está na finalíssima para uma das vagas do Oscar, na mesma categoria.

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

“Um Lugar Silencioso”: quando a seleção natural elimina os escandalosos

Se já chegou tarde em casa e teve que andar na ponta dos pés para não acordar todo mundo, você conhece este sentimento. Uma tentativa de evitar qualquer produção de ruído, como se sua vida dependesse disso. No caso dos personagens de “Um Lugar Silencioso”, novo filme de John Krasinski, realmente depende. Além de dirigir, […]

Leia Mais

Mostra Internacional de Cinema em BH dá visibilidade a representatividade LGBT

A transfobia, a vivência lésbica e o diálogo da religião com os LGBTs são alguns dos temas dos filmes que irão ocupar o Cine Humberto Mauro na 2ª Mostra Internacional de Cinema em Cores. Criado para dar mais visibilidade à população LGBT, o evento exibirá 19 produções audiovisuais entre os dias 6 e 10 de […]

Leia Mais

The Railrodder com trilha executada ao vivo encerra Mostra Buster Keaton

Foram 28 dias que Cine Humberto Mauro dedicou a Buster Keaton. Ele foi escolhido para marcar o início das comemorações dos 40 anos da sala. “Buster Keaton, o acrobata do Riso” exibiu mais de 50 filmes, com sessões diárias. O encerramento do evento foi épico: “The Railrodder”, no Grande Teatro do Palácio das Artes com […]

Leia Mais

Comentários