19 maio 2017

Os encantos da arte e da loucura são forças no monólogo ‘Bispo’ com João Miguel

Cena do monólogo Bispo, com João Miguel

É muito bonito se deparar com um ator cuja ligação com o personagem é tão forte como acontece com João Miguel e Arthur Bispo do Rosário (1911-1989). Tanto é que, se a carreira dele no cinema deslanchou depois dessa montagem, foram poucos os retornos ao palco nos últimos 15 anos. O reencontro deles, em 2017, é significativo e emocionante.

Arthur Bispo do Rosário foi um artista plástico sergipano diagnosticado com esquizofrenia paranoide. Bispo viveu muito tempo dentro de um hospital psiquiátrico, a colônia Juliano Pereira, em Jacarepaguá. Era neste local – supostamente inóspito para qualquer senso criativo – que ele tecia, bordava, desenhava, criava mundos poéticos para si mesmo. Fez mais de 900 obras ao longo da vida.

João Miguel – cujo trabalho como ator surge no circo, precisamente na arte do palhaço – não conta a história de Bispo. No monólogo ele incorpora o personagem de tal forma que desperta a dúvida sobre limiares: ator/personagem, loucura/lucidez. Ao longo dos pouco mais de 60 minutos somos dominados por uma atmosfera lírica, pouco lúcida, extremamente poética.

Tem algo de transcendental nessa peça. Talvez porque o processo criativo de Arthur Bispo do Rosário se conecte mais com algo espiritual do que propriamente racional. Os criadores da montagem respeitam a natureza dele.

Elementos complementares

Pelo papel João recebeu uma indicação ao prêmio Shell em 2003. Mas não é só a atuação que merece louros. O cenário, de Doménico Lancelotti e Marepe Zuarte e Jr., é outro elemento importante. É praticamente uma instalação artística que acolhe João e Bispo. Não é apenas bonito, mas também funciona como dramaturgia. Até a plateia tem um papel a cumprir. (Não precisa preocupar porque a peça não é interativa eheheeheheh).

E o manto? Além da simplicidade e da beleza dos bordados, o grande tecido que o ator carrega o tempo inteiro é também personagem. Parceiro constante de João e Arthur.

A direção é do próprio João Miguel em parceria com o autor do texto, Edgard Navarro. É bonito ver como eles se distanciam da biografia tradicional e permitem que o público se aproxime – ainda que de maneira ficcional – da sensibilidade daquele homem. Como ele se relacionava com a arte, com a palavra, a poesia e com as pessoas em sua volta. A cumplicidade com a psiquiatra Rosângela Magalhães também é abordada.

Saí do teatro emocionada com potência do encontro entre ator/personagem e com muita vontade de conhecer mais sobre a obra de Arthur Bispo do Rosário.

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

Cinco peças da Campanha que o Culturadoria viu e recomenda

Nightvodka A parceria do Grupo Armatrux com o diretor Eid Ribeiro é de longa data. Mesmo assim, eles conseguiram sair de uma zona de conforto para fazer Nightvodka. O espetáculo se inspira na literatura de Svetlana Alexijevich. É um potente flerte com a performance. Quando vi achei a primeira parte da peça um pouco arrastada, […]

Leia Mais

Política cultural chama atenção no lançamento da Campanha de Popularização 2018

As novidades anunciadas na abertura da Campanha de Popularização estão muito mais no campo da legislação cultural do que propriamente no cardápio de atrações artísticas. Em 2018 o tradicional evento da cidade vai até o dia 04 de março. A expectativa é que atraia 250 mil espectadores durante as oito semanas. O café da manhã […]

Leia Mais

“O Rei da Vela”: Antropofagia Oswaldiana revisitada

Por Márcia Mendonça O que há em comum entre a montagem da peça O Rei da Vela, de 1967, e a de hoje? Qual a atualidade do texto de Oswald de Andrade? São épocas, espaços e contextos diferentes. Cinquenta anos separam a estreia do espetáculo, na turbulenta década de 1960, na capital paulista, da remontagem de […]

Leia Mais