27 fev 2017

Cinco pontos marcantes no atrapalhado Oscar 2017

Apesar da gafe histórica, cerimônia do Oscar em 2017 teve resultados contundentes e equilibrados. 

O diretor Barry Jenkins recebe de Warren Beatty o envelope correto. A festa terminou em um climão sem precedentes. Foto: Aaron Poole / ©A.M.P.A.S

E o Oscar vai para… La La Land. Não, Moonlight. Climão.

Era para ser uma homenagem a Warren Beatty. Coitado. Acabou como porta-voz da maior manota da história do Oscar ao anunciar erradamente o prêmio de melhor filme para La La Lan: cantando estações. O real vencedor foi Moonlight. O veterano deu uma empacada na hora de dizer o nome do filme mas a “partner” Faye Dunaway achou que era brincadeira e soltou o verbo.

Só depois das comemorações, já com as estatuetas na mão, que o produtor Jordon Horowitz, do então vencedor percebeu o erro. O Oscar terminou num climão geral.

https://www.youtube.com/watch?v=v3RLFhwzUgk

 

 

Ritmo de festa

O mais engraçado é que a cerimônia que terminou na maior saia justa da história começou em um clima totalmente diferente. Diferentemente dos outros anos, Justin Timberlake entrou no Dolby Theatre já cantando e colocando todo mundo para dançar. Ele estava indicado com a radiofônica Can´t stop the feeling canção da animação Trolls.

Docinhos e convidados

O apresentador Jimmy Kimmel caprichou nas gracinhas. Não bateu o recorde de simpatia de Ellen DeGeneris, mas ok, mandou bem. Distribuiu doces para a plateia e preparou uma surpresa para um grupo de turistas que visitava Hollywood. O público parece que gostou mas eu fiquei na dúvida: ele fez graça nas costas de gente simples. Acho isso delicado. No mais, foi irônico em suas intervenções e talvez quem mais colocou pedra no sapato do presidente Donald Trump.

Vitória da minoria

O Oscar que se anunciava o mais político de todos teve um resultado super contundente com todo o esforço feito para garantir a diversidade. Dar o prêmio a Moonlight é um avanço considerável. Lembrando que, grosso modo, é a história de um negro, pobre e gay. Ou seja, pura minoria. Pena que a confusão na entrega do prêmio tenha desestabilizado tanto na hora do discurso. Barry Jenkins, diretor, roteirista e diretor, nem teve chance de falar direito  tamanha confusão formada.

E tom político? Leve, bem leve.

O tom de protesto dos discursos foi bem leve perto do que se anunciava. Não houve ninguém com a coragem que Meryl Streep demonstrou no Globo de Ouro. O mexicano Gael García Bernal, de improviso, deixou sua marca. “Como mexicano, como latino-americano, como imigrante, como trabalhador, sou contra qualquer muro”, disse. Antes dele, a crítica mais contundente apareceu na cerimônia por carta. O diretor iraniano Ashgar Farhadi, vencedor do Oscar de melhor filme em língua estrangeira com O apartamento mandou o recado: “Minha ausência tem a ver com o respeito que sinto pelas pessoas de meu país e pelos cidadãos de outros seis países que foram vítimas de uma falta de respeito. Assim se divide o mundo. Os diretores de cinema criam empatia e unem”.

https://www.youtube.com/watch?v=DmpCKLNs7iA

 

 

 

Gostou? Compartilhe!

Artigos Relacionados

‘Eu, Tonya’:  drama familiar mais pesado que uma biografia esportiva

Eu, Tonya começa como se fosse um documentário. Apesar de se basear em fatos reais, é um longa de ficção que comete pequenas ousadias na forma como conta a história da patinadora Tonya Harding. Além dos falsos depoimentos, em alguns momentos da narrativa, no meio da cena, os personagens se distanciam da ficção e fazem […]

Leia Mais

‘The Post: a guerra secreta’: as impressões decantadas sobre o belo encontro entre Meryl, Hanks e Spielberg

Eu sou suspeita para escrever qualquer coisa sobre filmes que tem o jornalismo como protagonista. A paixão pela profissão me faz sair emocionada na maioria das experiências que tive com o gênero. Com The Post: A Guerra Secreta não foi diferente. Sabe aquela coisa de achar maravilhosa toda cena que tem rotativa, o ritual do […]

Leia Mais

‘Três anúncios para um crime’: o violento preço da passionalidade

Três anúncios para um crime faz pensar sobre impunidade. Sobre a raiva também. É um filme forte. O mais tenso entre os nove indicados ao Oscar em 2018. Mais até do que os de guerra. Em reconstituições de época – como Dunkirk e O destino de uma nação, por exemplo – somos “protegidos” pelo distanciamento […]

Leia Mais

Comentários